A-A+

Venezuelanos em Miami celebram levante de militares a favor de Guaidó

'Estamos felizes e esperançosos de que a Venezuela saia dessa ditadura assassina', disse Henry Brito Gonzalez, advogado de 77 anos

Venezuelanos em Nova York (EUA)Venezuelanos em Nova York (EUA) - Foto: Johannes EISELE / AFP

Cerca de 300 venezuelanos celebraram, em Miami, nesta terça-feira, o que esperam que seja "o começo do fim" do presidente Nicolás Maduro, enquanto em Caracas forças leais ao governo e opositores se enfrentam, após a rebelião de um grupo de soldados.

"Estamos felizes e esperançosos de que a Venezuela saia dessa ditadura assassina", disse Henry Brito Gonzalez, um advogado de 77 anos que chegou com sua esposa à Flórida há seis meses porque a situação em seu país "é impossível".

Leia também:
Brasil autoriza asilo a 25 militares venezuelanos em embaixada
Após reunião sobre Venezuela, Bolsonaro encoraja apoio a Guaidó
Mais de três meses de tempestade política na Venezuela com Guaidó 

"Não há água, não há luz, os telefones estão fora do ar, a internet é inútil, chegando em casa sem saber se há comida ou não. Tudo é uma incerteza, uma angústia. Assim não dá para viver", afirmou.

Reunidos esta tarde no restaurante El Arepazo em El Doral, uma cidade do condado onde a diáspora venezuelana se concentra em Miami, os manifestantes cantaram o hino e gritaram pedindo "liberdade! Liberdade!".

A Venezuela ainda estava imersa em uma disputa política na tarde desta terça-feira entre aqueles que apoiam Maduro e os que apoiam o líder da oposição, Juan Guaidó.

Outra manifestante, Maybelys Rodriguez, de 51 anos, disse que é hora de as pessoas saírem às ruas "para que este seja o começo do fim".

Veja também

Sem vacina, três irmãos morrem em decorrência da Covid-19 em SC
Coronavírus

Sem vacina, três irmãos morrem em decorrência da Covid-19 em SC

Congresso de Jornalismo de educação, promovido pela Jeduca, está com inscrições abertas
Educa Mais

Congresso de Jornalismo de educação, promovido pela Jeduca, está com inscrições abertas