[Vídeo] Após denúncia do Flagrante Cotidiano, carcaças de carros são retiradas em Olinda

Leitor havia reclamado que veículos abandonados ocupavam espaço da calçada na 2ª etapa de Rio Doce

Carcaças foram retiradas pela Prefeitura de OlindaCarcaças foram retiradas pela Prefeitura de Olinda - Foto: Prefeitura de Olinda/Divulgação

Depois da reclamação do leitor Raul Soares no Flagrante Cotidiano, quadro da Folha de Pernambuco que recebe denúncias de leitores sobre problemas na comunidade, a Prefeitura de Olinda retirou as carcaças de veículos da praça que fica no cruzamento das avenidas Rio Doce e México. Os carros abandonados na calçada foram tema do quadro no último dia 18 de outubro.

Equipes de fiscais realizaram a remoção de carcaças não só na 2ª etapa de Rio Doce, onde havia o problema mostrado no vídeo, mas também em ruas da 3ª etapa do bairro. A ação foi fruto de uma parceria entre as secretarias de Meio Ambiente, Urbano e Natural e de Transportes e Trânsito. As carcaças foram encaminhadas para o depósito de Salgadinho, com o auxílio de um guincho.

“A comunidade fez um apelo para a remoção desse material da praça. É um espaço de lazer, muita gente utiliza para a prática de exercícios físicos, e essas carcaças se misturavam ao meio dos bancos e espaço para as atividades”, explicou o secretário executivo de Controle Urbano, Major Sérgio Fentes.

A população pode participar do quadro enviando fotos ou vídeos de problemas urbanos para o WhatsApp (81) 99146.9781 ou para o e-mail [email protected]

Além desse caso, outro mostrado no Flagrante Cotidiano, referente aos buracos na PE-49, que dá acesso à praia de Ponta de Pedras, em Goiana, também caminha para uma solução. Veja no vídeo:

   

Veja mais:

- Flagrante Cotidiano #7: Perigo para motociclistas na BR-101 
- Flagrante Cotidiano #6: Esgoto a céu aberto no Beco da Fome

Veja também

Pós-Enem: como entrar no ensino superior com a nota da avaliação
Educa Mais Brasil

Pós-Enem: como entrar no ensino superior com a nota da avaliação

Vacinas já distribuídas atendem cerca de 10% dos públicos prioritários
Coronavírus

Vacinas já distribuídas atendem cerca de 10% dos públicos prioritários