[Vídeo] Maquiagem de Carnaval: valorize seu tom de pele

Na modelo Jade Soares, o beauty artist Hítalo Freitas utilizou tons terrosos e abusou do glitter dourado

Maquiagem de Carnaval: valorize seu tom de pele com a colorimetriaMaquiagem de Carnaval: valorize seu tom de pele com a colorimetria - Foto: Gustavo Gloria/ Folha de Pernambuco

Apesar das peles negra e mulata aceitarem bem quase todas as cores de maquiagem, o tom acaba sendo mais valorizado quando se aposta em pigmentos quentes. Na modelo Jade Soares, o beauty artist Hítalo Freitas utilizou tons terrosos e abusou do glitter dourado, além das aplicações com pérolas.

Leia também
[Vídeo] Maquiagem de Carnaval: aposte nas sardas
Maquiagem de Carnaval pede cores fortes e glitter; confira

"A make com tonalidade terrosa se destaca por conta do subtom que combina com tonalidades quentes", comentou o maquiador. Segundo ele, a dica é aplicar um protetor solar antes da base. Após a pele pronta, o foco será nos olhos, com glitter no início da pálpebra. "O glitter deve ser aplicado com o dedo. O olho deverá ser esfumado e também deverá focar a cor terrosa nas têmporas", comentou.

Em Jade, o beauty artist deixou de lado os cílios postiços e apostou, apenas, no rímel. Em contrapartida, abusou na colagem com pérolas. "Fiz as aplicações em forma de máscara, com uma temática tribal. Isso valorizou ainda mais essa pele maravilhosa", disse Hítalo, que completou a maquiagem utilizando gloss na boca da modelo.

Para maior fixação das aplicações e maior simetria, a dica é aplicar primeiro a cola de cílios nos locais de sua preferência. Em seguida, deixe secar um pouco e aplique o strass, glitter ou pérolas. O maquiador aconselha que as negras e mulatas invistam no dourado, laranja, amarelo e bronze. 

Veja também

Sonda conclui a primeira coleta de amostra em um asteroide feita pela Nasa

Sonda conclui a primeira coleta da Nasa de amostra em asteroide

Ministério da Saúde inicia 15ª missão para atender indígenas com Covid-19
Coronavírus

Ministério da Saúde inicia 15ª missão para atender indígenas com Covid-19