Vídeo mostra vigilante atirando para o alto em discussão no TI Recife; assista

Usuário teria se recusado a pagar passagem para entrar no metrô e iniciou a discussão, segundo o Grande Recife Consórcio

Confusão ocorreu no dia 31 de agostoConfusão ocorreu no dia 31 de agosto - Foto: Reprodução/Vídeo

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra um vigilante da empresa BBC, responsável pela vigilância dos Terminais Integrados, atirando para o alto em uma discussão com um passageiro no TI Recife, localizado no bairro de São José, área central da Capital, ao lado da Estação Central do Metrô. Segundo o Grande Recife Consórcio de Transporte, a confusão ocorreu no dia 31 de agosto.

As imagens foram feitas por pessoas que estavam no local e compartilhadas nas redes sociais. O vídeo mostra parte da discussão entre o vigilante e o passageiro. Durante a confusão, o profissional saca a arma e dá um tiro para o alto.

Leia também:
Cerca de 200 pessoas pulam catracas e invadem Estação Central do Recife; veja vídeo
No primeiro dia útil após reajuste, passageiros reprovam nova tarifa do metrô

Em nota, o Grande Recife Consórcio informou que apura a ocorrência junto à BBC. Segundo a empresa, o usuário teria se recusado a pagar passagem para entrar no metrô e iniciou a discussão com fiscais e o vigilante que aparece nas imagens. "O Consórcio lembra que utilizar ônibus ou metrô sem o pagamento da tarifa é proibido, pois prejudica a manutenção do sistema de transporte público", reiterou o Grande Recife.

Ainda de acordo com o Consórcio, o vigilante foi afastado das suas funções até que tudo seja devidamente apurado e esclarecido. O Portal FolhaPE tentou contato com a BBC Vigilância e Serviço, mas não obteve retorno.

Assista ao vídeo:

Veja também

Tribunal que julga impeachment de Witzel ouvirá 29 testemunhas
Brasil

Tribunal que julga impeachment de Witzel ouvirá 29 testemunhas

Quase 90% do desmatamento da Amazônia em Mato Grosso nos últimos 12 anos foi ilegal
Meio ambiente

Quase 90% do desmatamento da Amazônia em MT nos últimos 12 anos foi ilegal