A-A+

Pernambuco

Vigilância Ambiental de Olinda inicia mutirões de combate às arboviroses

Chuvas e rodízio de abastecimento de água têm impulsionado os focos do mosquito Aedes aegypti

Mutirão de combate a arboviroses em OlindaMutirão de combate a arboviroses em Olinda - Foto: Arthur de Souza/ Folha de Pernambuco

Com a chegada das chuvas, a Vigilância Ambiental de Olinda programou mutirões de enfrentamento da proliferação do mosquito Aedes aegypti, causador das arboviroses como dengue, chikungunya e zika.

Nesta quinta-feira (27), 19 agentes dão início às atividades do órgão, no bairro de Aguazinha, que possui um alto índice de focos.
 
Segundo Maria Imaculada, coordenadora de vetores da Vigilância Ambiental da cidade, um passo importante que a população pode cumprir para impedir a proliferação do mosquito é dedicar um momento do dia para inspecionar o próprio quintal e receber os agentes para orientações. 
 
“A dengue precisa ser combatida todo dia, então pedimos que a população também dedique um minutinho para observar os depósitos com água e lavar sempre o que for possível. Assim, podemos viabilizar uma parceria entre a Secretaria de Saúde com a comunidade, para que tenhamos respostas positivas”, afirmou.
 
De acordo com a profissional, o período de chuvas e o atual sistema de rodízio de abastecimento de água, gerando um aumento do armazenamento em tonéis, têm provocado um aumento dos focos de Aedes aegypti. 
 
O aposentado José Evangelista Pereira, de 58 anos, mora em Aguazinha e recebeu a visita de agentes de endemia nesta quinta-feira (27).

Segundo ele, a campanha é importante “porque o foco do Aedes aegypti está demais. Já 'houveram' casos de dengue pela vizinhança recentemente”, relatou. “Tinha um foco aqui em casa, mas os agentes chegaram e colocaram uma tampa, o que é melhor. Agora os cuidados serão mantidos", disse o morador.
 

Atuação

A vigilância ambiental é o órgão da Secretaria de Saúde responsável por fazer um mapeamento da cidade para observar onde estão os maiores índices de arboviroses. A cada dois meses, o órgão elabora o Levantamento de Índice Rápido (LIRa), no qual é analisado 20% do município para coletar amostras em todos os bairros. “Com o resultado em mãos, elaboramos as ações preventivas, mas quando os índices estão altos, são automaticamente iniciadas as ações mais diretas”, descreveu Maria Imaculada.


O próximo mutirão será em Rio Doce, no dia 2 de junho. Também já foram elaboradas ações nos bairros de Passarinho e Caixa D'água. 
 
“No caso de imóveis abandonados, também é comum termos um índice alto de arboviroses. Mas se um vizinho desse imóveis conhece o dono, pedimos que entre em contato com ele, pedindo para ligar para a Secretaria de saúde ou a Vigilância Ambiental. Assim, podemos agendar uma visita”. O telefone de contato da Vigilância Ambiental de Olinda é o 3301-5228.

Veja também

Aos 83 anos, morre o arquiteto Ruy Ohtake, filho da artista Tomie Ohtake
Luto

Aos 83 anos, morre o arquiteto Ruy Ohtake, filho da artista Tomie Ohtake

Ensino a distância conquista adeptos e aumenta após fim de restrições
Educação

Ensino a distância conquista adeptos e aumenta após fim de restrições