Vigilantes paralisam serviços no Hospital da Restauração

Os profissionais reclamam de salários atrasados, atraso no pagamento do vale-refeição e cinco anos sem deposito do FGTS

Protesto de vigilantes em frente à recepção do HRProtesto de vigilantes em frente à recepção do HR - Foto: Divulgação/Rafael Furtado

Cerca de 150 vigilantes paralisaram seus serviços no Hospital da Restauração (HR), maior emergência de saúde de Pernambuco, no Recife, na manhã desta quinta-feira (10). Os profissionais denunciam que estão com dois meses de salários atrasados, quatro meses de atraso no vale refeição e há cinco anos que o FGTS não é depositado.

Alguns vigilantes estão com reciclagem vencida, podendo ser autuados em flagrante pela Polícia Federal por estarem portando arma de fogo sem as devidas documentações em dia.

Leia também:
Começa nesta terça paralisação de 72h dos médicos municipais do Recife
Vigilantes reivindicam salários atrasados à Secretaria de Educação
Assaltantes roubam armas dos vigilantes do Banco do Brasil de Boa Viagem


De acordo com o diretor do Sindicato dos Vigilantes Marcelo Mendes, diversas rodadas de negociação foram feitas com o Ministério do Trabalho, a empresa e a Secretaria Estadual de Saúde, mas sem sucesso. Ele ressaltou que não há previsão de retomada às atividades.

O Departamento Jurídico dos Vigilantes está reunido, no fim desta manhã, com o Ministério do Trabalho, esperando uma resposta da empresa Xerife Vigilância - responsável por efetuar o pagamento dos funcionários - e da SES, em mais uma tentativa de resolver a situação.

Em nota enviada à Folha de Pernambuco, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) informou que tem cumprido com os repasses financeiros à empresa responsável pelos vigilantes do Hospital da Restauração. "Contudo, como a empresa não comprovou o pagamento das obrigações trabalhistas aos seus funcionários, a SES fica impedida legalmente de fazer novos repasses".

A Secretaria Estadual de Saúde reiterou que "aguarda a documentação da Xerife para dar continuidade aos pagamentos e que a situação tem sido acompanhada pelo Ministério do Trabalho, e que já vem atuando para abertura de processo para aplicação das devidas penalidades à empresa com o intuito de resolver a situação e garantir os direitos dos vigilantes".

A Folha de Pernambuco entrou em contato com a Xerife Vigilância, mas não obteve resposta até o momento.

Veja também

Sem UTI aérea, ministério só vai transferir de Manaus pacientes de Covid em estado menos grave
Colapso em Manaus

Sem UTI aérea, ministério só vai transferir de Manaus pacientes de Covid em estado menos grave

Contêneires e 64m de comprimento: conheça avião que parte do Recife para buscar vacina na Índia
Avião da vacina

Contêneires e 64m de comprimento: conheça avião que parte do Recife para buscar vacina na Índia