Vitória da Conquista, 3ª maior cidade da Bahia, reabre parte do comércio

Em nota, a prefeitura afirmou que a decisão foi tomada "em diálogo com entidades representativas de diversos setores"

PopulaçãoPopulação - Foto: Wilson Dias/ Agência Brasil

Terceira maior cidade da Bahia, com cerca de 340 mil habitantes, Vitória da Conquista reabriu o seu comércio nesta segunda-feira (6), indo de encontro às orientações do Ministério da Saúde.

O prefeito Herzem Gusmão (MDB), que é aliado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), emitiu um decreto no qual permite a abertura de estabelecimentos comerciais em um esquema de rodízio.

O decreto prevê que setores como os de vestuário, óticas, joalherias e cosméticos funcionem das 8h às 13h. Já lojas de segmentos como eletrônicos, móveis, papelarias, entre outros, funcionarão das 13h às 18h. Shoppings, cinemas, bares, casas de show e restaurantes seguirão fechados por, pelo menos, mais sete dias.

Leia também:
Fundos regionais abrem linhas de crédito emergencial com juros a 2,5% ao ano por coronavírus
Isolamento imposto por coronavírus desregula sono, alimentação e trabalho


Em nota, a prefeitura afirmou que a decisão foi tomada "em diálogo com entidades representativas de diversos setores". A cidade tem quatro casos confirmados do novo coronavírus.

Apesar da política de defender o isolamento social, o governador da Bahia, Rui Costa (PT), não assinou decreto determinando o fechamento do comércio, deixando a decisão a cargo das prefeituras.

Em entrevista à TV Bahia, o secretário de Saúde da Bahia criticou a decisão do prefeito. "Acho muito ruim. Conclamo a população de Vitória da Conquista a continuar em casa. Essa semana é uma das semanas mais críticas de todos os tempos na Bahia, os casos vão aumentar em velocidade muito maior."

Além de Vitória da Conquista, tomaram decisões semelhantes as prefeituras de Barreiras (155 mil habitantes) e Luís Eduardo Magalhães (87 mil habitantes).

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

 

Veja também

Vaticano julga cardeal por escândalo financeiro
Religião

Vaticano julga cardeal por escândalo financeiro

País regrediu 20 anos na educação com pandemia, diz secretário
Educação

País regrediu 20 anos na educação com pandemia, diz secretário