Notícias

Viúva de Marielle defende afeto como forma de luta LGBTI

Mônica participou de um vídeo da Anistia Internacional divulgado neste Dia dos Namorados

Marielle Franco, assassinada a tiros no Rio no dia 14 de maio, ao lado da esposa, Mônica BenícioMarielle Franco, assassinada a tiros no Rio no dia 14 de maio, ao lado da esposa, Mônica Benício - Foto: Arquivo Pessoal

Companheira de Marielle Franco por 14 anos, a militante dos direitos humanos e arquiteta Mônica Benício afirma que a demonstração de afeto era uma das maiores formas de luta da vereadora carioca a favor dos direitos da população lésbica, gay, bissexual, transexual e intersexual (LGBTI). Mônica participou de um vídeo da Anistia Internacional divulgado nesta terça-feira (12), Dia dos Namorados, nas redes sociais da entidade. Na próxima quinta-feira (14), os assassinatos de Marielle e do motorista Anderson Gomes completam três meses.

"Marielle lutava na causa LGBTI e acho que a maior expressão dessa [luta], para além do parlamento, era a divulgação da vida pública dela, que era não esconder o relacionamento que a gente tinha e reforçar que isso era um amor, que era legítimo, que era feliz e que as nossas famílias existem. Eu acho que essa era a principal forma de ela lutar dentro dessa causa", conta Mônica no vídeo.

A viúva afirma na gravação que Marielle defendia a postagem diária de fotos e que ela concorda com a postura, argumentando que a atitude é uma forma de resistência. "A gente tem que ficar autoafirmando que esse amor é legítimo, e que a gente não vai deixar de amar porque a gente está em um contexto social em que parte das pessoas não acredita que esse amor seja legítimo".

Leia também:
Preso suspeito de matar assessor de vereador foi ouvido no caso Marielle
Anistia Internacional cobra conclusão sobre caso de Marielle

Mônica agradeceu pelo apoio que vem recebendo e disse que é fundamental toda manifestação de carinho, afeto, mobilização e cobrança por justiça, pressionando as investigações e lutando para que não haja mais assassinatos como o de Marielle.

"O apoio tem sido muito grande, e é isso que ajuda a manter a luta e faz com que eu levante de manhã e que dá algum sentido, é saber que existe toda essa rede de afeto mundial".



Durante a Parada LGBT de São Paulo, em 3 de junho, Mônica defendeu a necessidade de resistência lembrando que o Brasil é um dos países que mais mata a população LGBT. "A gente não pode deixar que isso continue dessa maneira. O nosso corpo é resistência política", discursou em um dos carros de som.

Veja também

Contágios da varíola do macaco geram preocupação na Europa
Saúde

Contágios da varíola do macaco geram preocupação na Europa

Paulista realiza vacinação contra a Covid-19 em seis polos neste sábado
Saúde

Paulista realiza vacinação contra a Covid-19 em seis polos neste sábado