Witzel diz que Bolsonaro entendeu gravidade de pandemia ao não demitir Mandetta

Witzel também autorizou o relaxamento das medidas restritivas em cidades do Rio sem casos confirmados do novo coronavírus, em especial no noroeste do estado

Governador do Rio de Janeiro, Wilson WitzelGovernador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), apontou nesta terça-feira (7) que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), ao não ter demitido o ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, entendeu a gravidade da pandemia de Covid-19 que atinge o Brasil e o mundo em 2020.

"Me parece que o presidente já entendeu a gravidade do momento e entendo que, daqui para a frente, essas situações de o presidente falar uma coisa e o governo outra, a tendência é reduzir e cada vez mais ele entender que o momento é de união", disse Witzel.

Leia também:
Ministro confunde, e Bolsonaro tem que voltar à TV e desfazer o que fez, diz Witzel
'Resposta jurídica é o impeachment', diz Witzel sobre divulgação de vídeo por Bolsonaro


"Agora devemos todos trabalharmos juntos e evitar declarações que deixem a população confusa. A população tem que entender que precisa ficar em casa e isso só muda por determinação das autoridades. Acredito que o próprio presidente já entendeu, por não ter demitido o ministro ontem", acrescentou o governador.

Witzel também autorizou o relaxamento das medidas restritivas em cidades do Rio sem casos confirmados do novo coronavírus, em especial no noroeste do estado.

"O noroeste apresenta ausência de circulação do vírus, então podemos permitir a circulação interna no município. Isso vai ocorrer com todos os municípios que tenham condição de fazer a barreira sanitária e manter a circulação interna", disse o governador, apontando que as pessoas não vão poder circular de um município para o outro.

"Por outro lado, a partir do momento que surgir o primeiro caso, nossa posição é de voltar as medidas", definiu Witzel, que também apontou que a permissão de circulação nos municípios não vai incluir as escolas, que seguirão fechadas.

Witzel, porém, disse que não se trata de uma flexibilização das medidas restritivas. "No interior do estado, as barreiras funcionaram. Não vou chamar de flexibilização. Estamos fazendo um controle das medidas de prevenção", disse o político.

O governador ainda anunciou que vai liberar as entregas em domicílio ao comércio, mas deve estender a quarentena no estado.

"Nossa previsão é que as medidas de restrição de circulação sejam renovadas até o final do mês de abril", disse o governador.

O político disse que fez um acordo com os sindicatos do comércio para autorizar o sistema delivery, sem compras presenciais ou serviços drive-thru, apenas entrega em casa.

Por fim, o governador prometeu rigor com as pessoas que ignorarem as medidas restritivas. "Já há um projeto de lei para impor multa à população por desobediência.

Peço à população que não desafie esse vírus, ele é letal e estamos vendo o que está acontecendo no começo da pandemia ainda", definiu o governador.

Até o momento, o RJ tem 1.461 casos confirmados de Covid-19, com 72 óbitos.

Veja também

Fiocruz busca avaliar impactos do isolamento social por conta da Covid-19
Pesquisa

Fiocruz busca avaliar impactos do isolamento social por conta da Covid-19

Em depoimento sobre ferimentos, Joice Hasselmann critica Heleno e diz não confiar na PF
DEPOIMENTO

Em depoimento sobre ferimentos, Joice Hasselmann critica Heleno e diz não confiar na PF