Notícias

Witzel exonera secretário de Saúde do Rio em meio a investigações

Segundo a última atualização da Secretaria de Saúde do Rio, o estado tem 21.601 casos confirmados do novo coronavírus, e registra 2.614 óbitos, atrás apenas de São Paulo

Governador do Rio de Janeiro, Wilson WitzelGovernador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), exonerou neste domingo (17) o secretário estadual de saúde, Edmar Santos. A decisão foi tomada em meio à Operação Favorito, da Polícia Federal e do Ministério Público Federal, da qual a pasta é um dos alvos, que investiga o empresário Mário Peixoto.

Em nota, o governo Witzel disse que a exoneração foi motivada por "falhas na gestão de infraestrutura de campanha para atender as vítimas da Covid-19". O texto diz, porém, que Santos vai dirigir uma comissão de notáveis para auxiliar o governo no enfrentamento à pandemia.

Leia também:
Bebê contaminado pelo novo coronavírus nasce na Rússia
Mourão testa negativo para o novo coronavírus 

Ele será substituído pelo atual diretor-geral do Hospital Universitário Gaffré e Guinle, Fernando Ferry, que é especialista em Aids.

Deflagrada no último dia 14, a Operação Favorito prendeu o empresário Mário Peixoto, que é ligado ao secretário de Desenvolvimento Econômico do Rio de Janeiro, Lucas Tristão, braço-direito de Witzel. A detenção na ocorreu no âmbito das investigações da Operação Lava Jato sobre atos durante a gestão do ex-governador Sérgio Cabral.

Mas, de acordo com a PF, a organização criminosa alvo da apuração manteve sua atuação nas contratações emergenciais voltadas para o combate à pandemia do novo coronavírus, o que motivou as prisões preventivas.

Além do empresário, também é alvo da ação o ex-presidente da Assembleia Legislativa fluminense Paulo Melo (MDB), e outros três pessoas cujos nomes não foram divulgados.

Em abril, o subsecretário-executivo da secretaria da saúde, Gabriell Neves foi temporariamente afastado do cargo. Neves era responsável pelas compras emergenciais no combate ao novo coronavírus e a Folha de S.Paulo havia revelado, dois dias antes, que os processos administrativos para as aquisições de equipamentos e leitos que somam R$ 1 bilhão foram colocadas em sigilo de forma irregular.

Neves não foi o primeiro. Dias antes, a subsecretária de Gestão da Atenção Integral à Saúde, Mariana Scardua, foi exonerada. Havia divergências entre ela e Neves. À época, o governo afirmava que a estrutura da pasta havia sido alterada para contar com profissionais voltados à medicina intensiva –a ex-subsecretária é especialista em medicina de família.

Segundo a última atualização da Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro feita neste sábado (16), o estado tem 21.601 casos confirmados do novo coronavírus, e registra 2.614 óbitos, atrás apenas de São Paulo.

Veja também

Pernambuco tem mais de 400 desabrigados após chuvas fortes, diz Codecipe
Chuvas

Pernambuco tem mais de 400 desabrigados após chuvas fortes, diz Codecipe

Autora de "Como matar seu marido" é declarada culpada pelo assassinato de cônjuge nos EUA
ESTADOS UNIDOS

Autora de "Como matar seu marido" é declarada culpada pelo assassinato de cônjuge nos EUA