Internacional

Zelensky lamenta recusa de Macron a falar em 'genocídio' na Ucrânia

Presidente francês recuou o uso do termo 'genocídio' e advertiu que a escalada verbal não ajuda a acabar com a guerra

Volodymyr Zelensky lamenta recusa do presidente Macron Volodymyr Zelensky lamenta recusa do presidente Macron  - Foto: MAKSIM BLINOV, LUDOVIC MARIN, JOHANNA GERON / AFP

A recusa do presidente francês, Emmanuel Macron, a classificar como "genocídio" os abusos cometidos pelo governo russo na Ucrânia é "muito dolorosa", disse nesta quarta-feira (13) seu colega Volodymyr Zelensky.

"Coisas como essa são muito dolorosas para nós, então farei o meu melhor para discutir esse assunto com ele hoje", disse o presidente, durante entrevista coletiva com os chefes de Estado da Polônia, Lituânia, Estônia e Letônia em Kiev. "Se não for possível, será amanhã."

Macron decidiu não retomar a palavra "genocídio", usada por seu colega americano, Joe Biden, nesta terça-feira (12), e advertiu que a escalada verbal não ajuda a acabar com a guerra.

"Eu diria que a Rússia desencadeou unilateralmente uma guerra brutal, que estabeleceu-se que o Exército russo cometeu crimes de guerra e que agora é necessário encontrar os responsáveis e que respondam ante a Justiça", declarou Macron à TV pública France 2. "O que acontece é uma loucura, é inacreditavelmente brutal", acrescentou.

Nesta quarta-feira, o primeiro-ministro canadense mencionou pela primeira vez que "um genocídio" ocorre na Ucrânia. A Rússia afirma que se tratam de "montagens" e "informações falsas" orquestradas pelos ucranianos.

Veja também

Trump diz: 'Fui atingido por uma bala que perfurou a parte superior da minha orelha direita'
ATENTADO

Trump diz: 'Fui atingido por uma bala que perfurou a parte superior da minha orelha direita'

Biden diz que 'não há lugar para esse tipo de violência' após tiroteio em comício de Trump
SOLIDARIEDADE

Biden diz que 'não há lugar para esse tipo de violência' após tiroteio em comício de Trump

Newsletter