Zika: nova parceria para conceber vacina

Fiocruz assina termo de cooperação com empresas francesa e norte-americana que tem como objetivo acelerar o processo

Bebê com microcefaliaBebê com microcefalia - Foto: Alfeu Tavares/Folha de Pernambuco

 

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a farmacêutica francesa Sanofi e o Walter Reed Army Institute of Research, dos Estados Unidos, assinaram na quinta-feira (28) um acordo sobre princípios de colaboração para acelerar o desenvolvimento e o registro de uma vacina contra o vírus zika. A vacina em questão utiliza o vírus inativado e, por isso, seria mais segura para utilização inclusive em gestantes. Além da Fiocruz, o Instituto Butantam também fez uma parceria internacional com o Instituto Nacional de Saúde (NIH) dos Estados Unidos para desenvolver uma vacina contra o zika. Há pelo menos 30 iniciativas mundiais que buscam uma vacina.

“A ideia é juntar esforços”, destacou o vice-diretor de Desenvolvimento Tecnológico da Bio-Manguinhos/Fiocruz, Marcos Freire, em entrevista à Agência Brasil. O acordo define princípios para a colaboração entre as instituições. Ainda será necessário um acordo mais detalhado, que inclua questões de maior embasamento legal. “Estamos discutindo uma parceria para juntar esforços e desenvolver uma vacina inativada contra o zika. Esse acordo visa a união desses três institutos para que juntos, utilizando todas as nossas expertises, possamos chegar a uma vacina”, disse.

Freire, no entanto, não deu prazos para a conclusão da pesquisa e contou apenas que o esforço é para se chegar o mais rápido possível à fase de testes clínicos - quando a vacina é utilizada em voluntários. “É difícil dizer. Considerando que tudo corra maravilhosamente bem e muito rápido, ainda assim é difícil prever quando teremos uma vacina registrada. Se a gente conseguir chegar à fase 1 em 2017, à fase 2 em 2018 e iniciar a fase 3 em 2019, acredito que 2019 ou 2020 seriam nosso melhor cenário para ter uma vacina no mercado.”

Microcefalia
O Governo Federal prorrogou por mais 90 dias a estratégia de incentivo financeiro para busca ativa e de conclusão do diagnóstico de bebês com suspeita de microcefalia no País. A portaria dos ministérios da Saúde e do Desenvolvimento Social e Agrário foi publicada ontem, sendo retroativa a 31 de julho. Dessa forma, a União garantirá aos Estados recursos de R$ 2,2 mil para cada caso incluído em investigação diagnóstica em agosto, setembro e outubro. A ajuda foi, instituída em março deste ano, já havia sido prorrogada uma vez, por 60 dias, em junho. O prazo inicial proposto pelo governo era 31 de maio.

Em Pernambuco, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) informou que o Ministério da Saúde já realizou o repasse de R$ 3,2 milhões relativos à portaria interministerial de aceleração do diagnóstico de microcefalia. O montante foi pago em duas parcelas em março e maio.

 

Veja também

Rio não terá desfile de blocos de rua no carnaval de 2021
carnaval

Rio não terá desfile de blocos de rua no carnaval de 2021

Brasileira está entre as vítimas de atentado na França, informa Itamaraty
internacional

Brasileira está entre as vítimas de atentado na França