A ascensão e queda de Eduardo Cunha

Cunha foi o responsável por dar curso e liderar na Câmara o processo de impeachment de Dilma, com quem rompeu em 2015

O projeto de lei será apresentado no plenário da AlepeO projeto de lei será apresentado no plenário da Alepe - Foto: HENRIQUE GENECY/ALEPE

 

Um dos deputados mais poderosos, Cunha foi o responsável por dar curso e liderar na Câmara o processo de impeachment de Dilma, com quem rompeu em 2015. O peemedebista havia sido eleito para a presidência da Câmara em fevereiro daquele ano derrotando o PT e o governo.

Tendo como base de apoio o PMDB e os partidos do chamado centrão (PSD, PR, PP, PTB e PRB, principalmente), Cunha aplicou sucessivas derrotas ao Planalto, mas chegou a tentar um acordo com o governo que envolveria o enterro do impeachment e de seu processo de cassação. Porém, as tratativas falharam.

O surgimento de delatores que o implicavam e a revelação da existência de dinheiro vinculado a ele em contas secretas na Suíça complicaram ainda mais a sua situação, levando-o a ser o primeiro congressista réu na Lava Jato.

Em 5 de maio de 2016, dias após a Câmara aprovar a autorização para a abertura do processo de impeachment de Dilma, começou a derrocada de Cunha. O STF o afastou do cargo e do mandato sob a acusação de que usava suas funções para atrapalhar as investigações. Em 12 de setembro, Cunha foi cassado pela Câmara dos Deputados.

 

Veja também

Aprovadas regras para prevenir Covid-19 em eventos drive-in e instituições para idosos
Blog da Folha

Aprovadas regras em eventos drive-in e instituições para idosos

Doria diz que Datena 'não é médico' em discussão ao vivo sobre Coronavac
Televisão

Doria diz que Datena 'não é médico' em discussão ao vivo sobre Coronavac