Política

A governadores, Maia avisa que aguarda até quarta-feira

"O relatório não deve ser votado antes da próxima quarta-feira. Até lá, tem conversa"

Rodrigo Maia em reunião com governadores do NordesteRodrigo Maia em reunião com governadores do Nordeste - Foto: Camila Peres/GOVBA

O prazo foi esticado e a informação foi registrada pelo presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia, durante a reunião com governadores do Nordeste ao longo da tarde de ontem. Leia-se: o relatório do deputado Samuel Moreira não deve ser votado na comissão antes da próxima quarta-feira. Originalmente, Maia previra que o parecer do tucano deveria ser votado até hoje no colegiado. Maia pretende reincluir estados e municípios no texto e já havia externado que, para isso, os gestores do Nordeste deveriam mobilizar suas bancadas e, junto com elas, demonstrarem solidariedade à reforma. "Até próxima terça, ele espera uma resposta dos governadores", informou à coluna uma fonte em reserva. Outro dos presentes à reunião registrou o seguinte: "O relatório não deve ser votado antes da próxima quarta-feira. Até lá, tem conversa". Houve quem avaliasse o clima, em Brasília, como "confuso e sem ambiente para aprovar nada". O governador Paulo Câmara já havia acenado que o "ideal era que isso ficasse uma discussão única". Os socialistas fazem parte de um bloco de oposição ao governo Bolsonaro que inclui PT, PDT, PSOL e PCdoB e essse grupo chegou a oficializar voto contra o relatório da Reforma da Previdência após reunião na sede do PSB.

Como a coluna cantara a pedra, Paulo Câmara embarcara para Brasília anteontem já com essa reunião de Maia no radar.


 

 

Sileno e Milton especulados
O governador não tem admitido tratar do assunto com ninguém esses dias. Mas a bolsa de apostas foi lançada por aliados. Há quem aponte os nomes de Sileno Guedes e Milton Coelho como alternativas em potencial para a cadeira do TCE-PE vaga após o falecimento do conselheiro João Campos. Sileno é atual presidente do PSB e Milton, ex-presidente da sigla, ambos, auditores do orgão.
Homenagem 1 > As recentes perdas políticas de Pernambuco foram lembradas pelo líder do PT, Humberto Costa, no Senado. O petista fez voto de pesar pelo falecimento do jurista e conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, João Campos.
Homenagem 2 > Humberto também prestou homenagem à Dona Elzita Santa Cruz, mãe do desaparecido político Fernando Santa Cruz e símbolo da luta contra a Ditadura Militar.
Vitrine 1 > Líder do PSB na Câmara, Tadeu Alencar levou como exemplo para uma audiência com o secretário Nacional de Segurança Pública, general Guilherme Cals Theophilo Gaspar de Oliveira, o programa Pacto pela Vida, implementado durante o governo Eduardo Campos e aperfeiçoado pelo Governo Paulo Câmara.
Vitrine 2 > A iniciativa recebeu elogios do general Theophilo, que já esteve no Estado para conhecer a experiência. Paulista foi escolhida para receber projeto-piloto integrado de segurança pública. Foram cinco cidades escolhidas, uma em cada região.
RED BULL > No período junino, o deputado federal Fernando Monteiro percorreu cinco mil quilômetros de estrada. Passou por 10 municípios em seis dias. Anteontem, no Recife, esteve em audiências na Compesa e na Secretaria de Saúde antes de seguir para Brasília. Às 20h, compareceu ao plenário e, ontem, emendou com as Comissões de Esporte, Finanças e Tributação e teve audiência com o ministro Gustavo Canuto.
Cálculos > O secretário adjunto da secretaria Previdência e Trabalho, Bruno Bianco, estará no Recife amanhã para debater a reforma da Previdência com o economista e autor de livros e estudos a respeito do tema, Paulo Tafner. O evento, realizado pelo CLP - Liderança Pública (uma organização sem fins lucrativos e suprapartidária) será às 8h30, no auditório do JCPM.

 

Veja também

Senador do PT votou contra veto de Lula na "saidinha": benefício "não é razoável"
SISTEMA PENITENCIÁRIO

Senador do PT votou contra veto de Lula na "saidinha": benefício "não é razoável"

Câmara susta decreto de Dino que dificultava acesso civil a armas de fogo; texto vai ao Senado
BRASIL

Câmara susta decreto de Dino que dificultava acesso civil a armas de fogo; texto vai ao Senado

Newsletter