À mesa com Bolsonaro, gestores estaduais não querem polêmica

Paulo Câmara estará na reunião de hoje, às 10h

Bolsonaro e Paulo CâmaraBolsonaro e Paulo Câmara - Fotos: Alan Santos/PR e Ed Machado/Folha/PE

Antes da videoconferência de hoje com o presidente Jair Bolsonaro, o Fórum Nacional de Governadores agendou reunião prévia para manhã de ontem - durou 50 minutos. Objetivo: alinhar o entendimento sobre a pauta com o chefe do Planalto. Os governadores presentes convergiram num sentido: não querem polêmica com o presidente da República. Vão concentrar atenções na necessidade de imediata sanção do PLP 39/2020, que cria o Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus. O governador de Pernambuco, Paulo Câmara, que testou postivo para Covid-19 na última segunda-feira, foi representado, no encontro de ontem, pelo secretário da Fazenda, Décio Padilha. Hoje, o chefe do Executivo estadual irá participar da conversa, convocada por Bolsonaro, como antecipamos na última segunda-feira no Portal da Folha de Pernambuco, às 10h. Ao menos, é o que está programado. Com sintomas leves, Paulo Câmara segue trabalhando remotamente.

Se os governadores estão destinados a manter a harmonia com Bolsonaro, por outro lado, acenderam o sinal amarelo desde a semana passada. Motivo: o PLP 39/2020 foi aprovado pelo plenário do Senado no último dia 6 e liberado para sanção do presidente no dia seguinte. Mas Bolsonaro não sancionou. Tem prazo de 20 dias para isso. Há pressa dos gestores em compensar a queda na arrecadação do ICMS, cuja média nacional é de 40% para o mês de maio. O risco é não ter recursos para cobrir as despesas elementares. Secretários da Fazenda dos 27 estados aguardam que esses recursos cheguem até o próximo dia 29. Apesar da bandeira branca, não passa batido, aos governadores, que Bolsonaro está em bola dividida com o ministro da Economia, Paulo Guedes, em relação à flexibilização do congelamento de salários dos servidores públicos, patrocinada, na Câmara Federal, pelo líder do governo Major Vitor Hugo, e acatada, no Senado, como dispositivo do projeto, que aguarda sanção. Guedes não aceita. A fatura pode chegar para os governadores. Mas, até segunda ordem, a regra para hoje é não brigar.

Testaram negativo no Palácio
Três secretários, que vinham convivendo muito na linha de frente do combate à Covid-19 com o governador Paulo Câmara, fizeram testes para saber se estavam infectados com a Covid-19, mas testaram negativo: Décio Padilha (Fazenda), José Neto (Casa Civil)
e Alexandre Rebêlo (Planejamento).
Por um triz > No caso de Décio Padilha, já faz mais de 10 dias que ele fez o teste, porque sua filha caçula pegou Covid-19. O titular da Fazenda, inclusive, estava se dirigindo à vice-governadoria, ontem de manhã, onde se encontraria com Luciana Santos, quando ela entrou em contato, avisando que ele não fosse.
Resultado > Luciana tinha acabado de receber o diagnóstico e, como registramos em primeira mão ontem, testou positivo para Covid-19. Em razão disso, acabou não participando da reunião dos governadores. Assintomática, ela segue trabalhando remotamente.
Dois casos > Marido de Luciana Santos, o deputado estadual Waldemar Borges também testou positivo para o novo coronavírus. Na Assembleia Legislativa, Paulo Dutra também já havia obtido diagnóstico no mesmo sentido. Dutra testou positivo ainda no início de abril.
Maia na linha > Após a entrevista do presidente do Grupo EQM, Eduardo de Queiroz Monteiro, à Rádio Folha FM 96,7, na qual ele abordou o processo de contaminação e de recuperação da Covid-19, o presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia, telefonou para Eduardo. Quis saber do estado de Saúde, dada a relação de amizade que nutrem.

 

Veja também

Fux deve incluir menção às Forças Armadas em discurso com resposta a ameaças golpistas
STF

Fux deve incluir menção às Forças Armadas em discurso contra ameaças golpistas

Moraes, do STF, manda PF retomar investigação que apura se Bolsonaro interferiu na corporação
DECISÃO

Moraes, do STF, manda PF retomar investigação que apura se Bolsonaro interferiu na corporação