A reforma que o Brasil precisa

Mudanças na legislação são constantes, mas o desafio é atender o anseio popular

Luiz Inácio Lula da SilvaLuiz Inácio Lula da Silva - Foto: Reprodução/Facebook

Tema sempre presente nas discussões dos problemas do sistema político brasileiro, a Reforma Política, mudanças nas leis sobre dinâmica eleitoral e participação popular nas decisões do Estado, ganhou destaque na semana passada por conta da votação, em primeiro turno no Senado, da Proposta de Emenda à Constituição Nº 36/2016 (PEC 36/2016). 

A matéria trata de temas como extinção de coligações no pleito proporcional e cláusulas de desempenho que poderiam afetar partidos menores, que teriam acesso restrito ao Fundo Partidário e propaganda de rádio e televisão.

A matéria terá que passar por uma segunda votação no próprio Senado para, em seguida, ser analisada pela Câmara dos Deputados, que poderá modificar o texto e reenviar para a Casa Alta. Além disto, a Casa Baixa tem sua própria comissão para tratar da Reforma Política.

A discussão entre os deputados federais trata de temas diversos quanto a participação das mulheres na política, a duração de mandatos e, especialmente, o financiamento de campanhas. A expectativa é que sejam votados temas menos polêmicos inicialmente e os projetos mais espinhosos fiquem para mais tarde.

A temática ganhou força na história recente do Brasil ainda em 2013, quando, em meio a manifestações populares que marcaram o mês de junho daquele ano, a então presidente da República, Dilma Rousseff (PT), defendeu publicamente a proposta de uma nova Assembleia Constituinte exclusiva para tratar da Reforma Política.

Em 2015, o Congresso Nacional aprovou uma “minirreforma eleitoral”, que foi testada nas eleições municipais deste ano. Na ocasião, os parlamentares concordaram em reduzir o tempo de campanha eleitoral, os prazos de filiação partidária para que se tenha direito a disputar eleições, bem como o tempo de propaganda gratuita em rádio e televisão.

Para a cientista política Priscila Lapa, a ânsia de alguns setores em implementar uma Reforma Política ampla é ineficaz para a mudança efetiva do sistema político. “Acho que não andamos com a reforma política, pois não tem como fazer todas as reformas de uma vez só. A experiência de outros países que conseguiram fazer uma reforma consistente mostra que não se consegue fazer uma de uma vez só. Você precisa atacar pontos críticos e ir testando”, comentou.

Veja também

MP aumenta limite de gastos com cartão corporativo para pagar serviços sem licitação na pandemia
Gastos

MP aumenta limite de gastos com cartão corporativo para pagar serviços sem licitação na pandemia

Paulo Skaf, que se reuniu com Bolsonaro, está com Covid-19
Bolsonaro

Paulo Skaf, que se reuniu com Bolsonaro, está com Covid-19