Aceno a governadores e também à oposição

O recado deu-se para justificar a retirada, do projeto, das contrapartidas que limitavam gastos com servidores estaduais.

Plenário da AlepePlenário da Alepe - Foto: Luiza Alencar

 

Presidente da Câmara Federal, o deputado Rodrigo Maia enfrenta o obstáculo jurídico para disputar a reeleição para presidência da Casa, mas acredita ser este um ponto superado. Restando a questão política a resolver, o dirigente precisa ir atrás de votos e procurou fazer um aceno aos parlamentares que não estão na base do governo. Escolheu o momento da votação da renegociação das dívidas dos estados para fazê-lo. Ainda que venha agindo alinhado com o governo Michel Temer, Maia cuidou de dizer, durante a sessão, que não é preciso a Casa "dizer amém" ao Ministério da Fazenda. "Se o presidente disser que não é o melhor para o Brasil, tem direito ao veto", advertiu, endurecendo o tom e jogando o ônus de desagradar os governadores no colo do presidente da República. Ganhou uns pontinhos com os chefes dos executivos estaduais e, consequententemente, com suas respectivas bancadas. O processo de construção da reeleição de Maia esbarrou no vazamento do nome de Antônio Imbassahy, líder do PSDB, para assumir a secretaria de Governo. O episódio foi entendido como uma forma de o Planalto abrir caminho para Maia, o que irritou lideranças do "centrão". Agora, ciente e já tendo verbalizado que precisa é de votos para se eleger, o dirigente sinaliza, até mesmo à oposição, que não está ali para deixar o Planalto tratorar tudo. Maia anda, inclusive, circulando entre governadores. Chegou a jantar, recentemente, com Paulo Câmara no Palácio das Princesas. E o socialista é um dos gestores que não viu com bons olhos a forma como o Governo Federal conduziu a renegociação das dívidas, a qual deixou governadores que cumpriram o dever de casa em condição de desvantagem. Falta pouco para a eleição, que ocorre em fevereiro.

O recado deu-se para justificar a retirada, do projeto, das contrapartidas que limitavam gastos com servidores estaduais.

Vai ou não vai
Em entrevista recente, o governador Paulo Câmara, indagado se é candidato à reeleição, recorreu ao mantra que diz: 2018 só em 2018. Estando no cargo, a novidade será mesmo se o socialista não for concorrer. Ao deixar no ar, o socialista causou estranhamento em aliados.

Nunca vi > "Acho que é a primeira vez que vejo um governador no cargo dizer que não é candidato", pondera um governista, em reserva.
Não chama... > Ainda que o presidente Michel Temer tenha desembarcado em Caruaru para seguir rumo a Surubim, o prefeito José Queiroz não foi convidado a participar do evento do presidente. Mas a Presidência da República cuidou de fazer pedidos à Prefeitura comandada pelo pedetista.

...mas pede >
Foram solicitadas duas ambulâncias para acompanhar o trajeto até Surubim e uma para o aeroporto. Indagado se enxergou o episódio como uma deselegância de Temer, Queiroz minimiza, mas pondera: "Achei estranho".

Questão de tempo >
Aprovado por unanimidade em todas as comissões e no plenário, está só aguardando a sansão de Paulo Câmara, o projeto 2083, de autoria do deputado Ricardo Costa, que institui o mérito “Político Governador Eduardo campos”, nas categorias da Medalha Leão do Norte.
Ranking > Ricardo Costa conquistou o primeiro lugar (2015/2016) em apresentações de Projetos de Lei (80) e Emendas (56), além de Leis sancionadas (25).

Desafeto 1 > Foi por unanimidade que a vereadora Marília Arraes foi indicada, pelos vereadores eleitos que integrarão a bancada de oposição, para encabeçar a disputa pela presidência da Mesa Diretora da Casa de José Mariano.

Desafeto 2 > Sexta mais votada na capital e campeã de votos do PT nas regiões Nordeste, Norte, Centro-Oeste e Norte, Marília é, hoje, uma das principais vozes contrárias às gestões do PSB na PCR e no Governo do Estado.

 

Veja também

Huck se encontra com Leite para discutir aliança eleitoral em 2022 entre autores de manifesto
Política

Huck se encontra com Leite para discutir aliança eleitoral em 2022 entre autores de manifesto

STF mantém julgamento sobre Lula em plenário e deixa decisão para esta quinta-feira (15)
Política

STF mantém julgamento sobre Lula em plenário e deixa decisão para esta quinta-feira (15)