'Achei o máximo, tô tão feliz', diz Janaina Paschoal sobre ministro Moro

Janaina ganhou projeção nacional em 2016, ao coassinar o pedido de impeachment da petista Dilma Rousseff

Janaina PaschoalJanaina Paschoal - Foto: Reprodução/Facebook

"Achei o máximo", diz a advogada e deputada estadual eleita Janaina Paschoal (PSL-SP). "Tô tão feliz!", completa e ri.

O motivo de sua felicidade atende por Sérgio Moro. Mais particularmente, o fato de o juiz responsável pela Lava Jato em Curitiba ter aceitado ser ministro da Justiça de Jair Bolsonaro (PSL).

Janaina ganhou projeção nacional em 2016, ao coassinar o pedido de impeachment da petista Dilma Rousseff.

Há pouco menos de um mês, entrou para a história como a parlamentar mais votada de todos os parlamentos brasileiros: dois milhões de votos para a Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) -superando até mesmo o recordista para a Câmara dos Deputados, o colega do PSL Eduardo Bolsonaro (1,8 milhão de votos), e quase sete vezes mais do que o máximo de eleitores amealhados pelo antigo detentor da marca na Alesp, o tucano Fernando Capez (306 mil em 2014).

Leia também:
Bolsonaro chama possível ministro Magno Malta de 'irmão eterno'
Bolsonaro barra alguns jornais em primeira entrevista coletiva como presidente eleito
Trabalho de Moro me ajudou a crescer politicamente, diz Bolsonaro 

Para ela, a indicação de Moro, que diz não conhecer pessoalmente, é um divisor de águas. "A gente tá precisando de mudança", afirma à Folha de S.Paulo.

Vai contra a corrente de advogados que veem Moro sob suspeição, já que ele julgou processos contra o ex-presidente Lula e agora aceitou integrar a Esplanada do adversário do PT.

Para Janaina, é tolo dizer que Moro agiu com interesses políticos em mente quando condenou o petista a nove anos e meio de prisão, em julho de 2017 (a sentença foi aumentada depois pela segunda instância), ou levantou o sigilo sobre a delação de Antonio Palocci, ex-ministro de Lula, a dias do primeiro turno.

Afinal, ninguém levava fé no capitão reformado, ela argumenta. "Vamos falar a verdade, a maior parte dos analistas sequer acreditava na vitória do Bolsonaro."

A futura deputada já havia dito, em suas redes sociais, que a nomeação de Moro é um acerto do presidente eleito.

"Bom dia, Amados! Com todo respeito à divergência, não faz nenhum sentido dizer que o fato de uma autoridade receber um convite torna essa autoridade suspeita. O juiz Sérgio Moro é uma pessoa que tem seu trabalho internacionalmente reconhecido. Nesse contexto, o convite é natural!"

O magistrado, continua, "virou referência de Justiça (no mundo). Parece natural que um presidente, que quer otimizar o processo de depuração do país, convide aquele que virou referência de Justiça para dirigir o Ministério da Justiça! Quem tem medo de Moro no MJ?".

Veja também

Humberto Costa sobre disputar eleição em 2022: ‘Não autorizo nenhuma especulação’
Candidatura

Humberto Costa sobre disputar eleição em 2022: ‘Não autorizo nenhuma especulação’

Aos 71 anos, morre o ex-prefeito de Goiana e ex-deputado Osvaldo Rabelo Filho
Luto

Aos 71 anos, morre o ex-prefeito de Goiana e ex-deputado Osvaldo Rabelo Filho