Jaboatão

Acordo para quitar precatórios em Jaboatão

Segundo a Prefeitura, a dívida atual com precatórios é em torno de R$ 17 milhões, mas diariamente aumenta

Anderson: negociação com?TJPE tem como meta a  quitação das dívidas em dois anosAnderson: negociação com?TJPE tem como meta a quitação das dívidas em dois anos - Foto: Arthur Mota

O prefeito de Jaboatão dos Guararapes, Anderson Ferreira (PR), e o presidente do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), desembargador Leopoldo Raposo, firmaram, ontem, acordo inédito para garantir o pagamento dos precatórios do município nos próximos quatro anos. Com o acordo, será descontado o valor correspondente a 1% da Receita Corrente Líquida (RCL) em todos os repasses mensais do Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

Segundo a Prefeitura, a dívida atual com precatórios é em torno de R$ 17 milhões, mas diariamente aumenta. A medida está prevista na Resolução nº 392 do TJPE e visa garantir que o município continue tendo o direito de firmar convênios com outras instituições. A expectativa é que, em até dois anos, todos os atuais precatórios estejam quitados, e que, a partir daí, sobrem recursos para investimentos. 
Regularizar
O prefeito teria tomado a iniciativa para regularizar a situação. “Com isso, vamos reduzir despesas e garantir mais investimentos, principalmente na área social. A nossa administração teve início há pouco mais de um mês, mas, mesmo que ainda estejamos arrumando a casa,”, disse Ferreira.
Já o desembargador ressaltou a importância do acordo para organizar as finanças do município. “Nós somos apenas os cumpridores de ações, até porque a legislação é muito rígida nos casos de precatórios. Com esse acordo de retenção dos recursos nos repasses do FPM, Jaboatão fica totalmente adimplente”, destacou Raposo.

Veja também

Sergio Moro afirma ser "provável" se lançar ao Senado em São Paulo
Eleições

Moro afirma ser 'provável' se lançar ao Senado em São Paulo

Projetos sobre combustíveis devem tramitar rápido no Senado
Combustíveis

Projetos sobre combustíveis devem tramitar rápido no Senado