Corrupção no MEC

Advogado de Bolsonaro contesta áudio e diz que presidente não mantém contato com Milton Ribeiro

Em entrevista coletiva improvisada, Frederick Wassef afirmou que presidente não tem acesso a informações privilegiadas e que ex-ministro que precisa explicar fala

Advogado Frederick WassefAdvogado Frederick Wassef - Foto: Reprodução / TV Globo

O advogado Frederick Wassef, que defende o presidente Jair Bolsonaro, afirmou nesta sexta-feira que Bolsonaro não mantém contato com o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro e que ele não recebeu informações privilegiadas sobre o caso que levou à prisão de Ribeiro. Wassef minimizou o áudio em que o ex-ministro relata que o presidente lhe disse que tinha um "pressentimento" de que ele seria alvo de uma operação de busca e apreensão e disse que é Ribeiro que precisa explicar a fala.

Horas após a divulgação do áudio, e sem Bolsonaro e nenhum outro membro do governo ter comentado o caso, Wassef foi até o Palácio do Planalto para falar com a imprensa e rebater as suspeitas de que Bolsonaro teve acesso antecipado à investigação. A entrevista coletiva improvisada foi realizada no estacionamento do Palácio do Planalto. O advogado criticou o vazamento dos áudios e evitou comentar seu conteúdo.

Wassef afirmou, no entanto, que Bolsonaro não tem "acesso a nenhum tipo de informação privilegiada":

— O presidente não tem nenhuma informação sobre nenhuma investigação. Isto é um crime. O que estão perguntando é se o presidente faz crime. Não, o presidente Bolsonaro é vítima de crimes. Não comete crimes, não tem acesso a nenhum tipo de informação privilegiada, não interfere na Polícia Federal.
 

Questionado sobre o áudio de Ribeiro, o advogado disse também que Bolsonaro e o ex-ministro "não mantém contato"

— Não existe nada entre o presidente e o ex-ministro, eles não têm contato, eles não se falam. O presidente cuida do Brasil. Ele não é advogado e nada tem que ver com seu ex-ministro e (com) investigações contra seu ex-ministro.

Para Wassef, o ex-ministro precisa explicar porque "usou o nome" de Bolsonaro "sem o seu conhecimento".

— Se o ex-ministro usou o nome do presidente Bolsonaro, usou sem seu conhecimento, sem sua autorização, ele que responda. Compete ao ex-ministro se explicar o que ele fala.

Milton Ribeiro foi preso na quarta-feira, por suspeitas de participação em um esquema de corrupção no Ministério da Educação. O ex-ministro foi liberado na quinta-feira, por decisão do Tribunal Regional Federação da 1ª Região (TRF-1).

Nesta sexta-feira, o Ministério Público Federal apontou suspeitas de vazamento e de interferência indevida de Bolsonaro no inquérito e solicitou a remessa do caso ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Veja também

TSE começa a julgar aplicação da lei de proteção de dados nas eleições
Justiça

TSE começa a julgar aplicação da lei de proteção de dados nas eleições

Ministro Edson Fachin participa de última sessão no comando do TSE
Justiça

Ministro Edson Fachin participa de última sessão no comando do TSE