Agenda de Temer x segundo turno

João Paulo realça que “o que Dilma propôs”, nessa linha, foi rejeitado pelo PT

Raul Jungmann concede entrevista após reunião com Paulo CâmaraRaul Jungmann concede entrevista após reunião com Paulo Câmara - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

Diante de pedidos de aliados, o presidente Michel Temer deixou passar o 1º turno para por em pauta a Reforma da Previdência. Impopular, o debate poderia desgastar, nas urnas, candidatos da base. Mas o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, já avisou que o texto será encaminhado ao Congresso antes do 2º turno. A PEC do teto de gastos, não menos polêmica, também vai à votação. Resultado: o debate eleitoral, na prorrogação, não está livre de ser contaminado pelos temas. No Recife, o embate se dá entre João Paulo, do PT, e Geraldo Julio, do PSB. O petista adverte que a agenda do governo Temer, se não houver mobilização popular, será de “retirada das conquistas do povo, do trabalhador e dos mais pobres”. Avalia que, no 2º turno, “com processo de avanço no Congresso, isso volta para sociedade como um todo”. À coluna, conclui: “Acho muito difícil essa coisa não vir para o campo da política, mesmo municipal”. Entende que o PSB “vai ter dificuldade de explicar participação no governo Temer, a votação que deu no processo impeachment”. O deputado federal Tadeu Alencar, do PSB, no entanto, sublinha que o teto de gastos, “é uma coisa necessária, inclusive porque é um debate que a própria Dilma Rousseff ensaiou, mas não teve foi força política para bancar”. Tadeu avança: “Ela veio, logo no começo de 2015, com uma série de medidas provisórias de ajuste, mexeu na previdência, em benefícios”. E prossegue: “Então, agora, jogar toda conta dos desacertos da economia no governo que está iniciando também não é razoável . Ninguém vai ficar ouvindo isso calado”. E aposta: “É curioso que essa situação econômica desastrosa ela tem uma assinatura. Então, esse debate, se interferir na campanha municipal, é em nosso favor, porque a conta do descalabro na economia, evidentemente, não pode ser debitada em quem não estava governando o Brasil”.

João Paulo realça que “o que Dilma propôs”, nessa linha, foi rejeitado pelo PT

Musculatura
No início da campanha, Tadeu Alencar contava com três prefeitos aliados. Terminado o pleito, o socialista contabiliza 11 gestores eleitos com seu apoio.

Dois em dois anos > Esse time já o apoiava em 2014, mas todos tiveram um incremento na representatividade. A disputa municipal é uma prévia das eleições de 2018, que, por sua vez, serão uma prévia de 2020. E a eleição acaba ocorrendo de dois em dois anos, na prática, mesmo para quem não está, literalmente, na disputa.
PMDB apoia Tonca > Antônio Campos garantiu o apoio do PMDB, que teve Ricardo Costa na disputa do 1º turno, em Olinda. Falou com Jarbas Vasconcelos, que já lhe hipotecou o compromisso do partido com ele no 2º turno.

Tamo junto > Antes de anunciar o apoio do PMDB a Anderson Ferreira, ontem, Jarbas falou, por telefone, com o candidato à Prefeitura de Jaboatão. O republicano esteve, pessoalmente, com Raul Henry.
Fermento > No restaurante da Câmara, ontem, Henry e Jarbas almoçaram juntos. Fizeram balanço da eleição e amarraram a participação no 2º turno.

Intervalo > João Paulo aproveitou a terça-feira para resolver questões pessoais no Rio de Janeiro ontem. Hoje, segue para Brasília, onde participa de reunião da executiva nacional do PT.

Destaque > Aline Mariano foi a sexta colocada entre os candidatos do chapão - formado pelo PMDB/PSB/ PDT e Rede. Somente dez parlamentares conseguiram votação acima dos dez mil votos.

No 2º turno > Aline foi convidada por Geraldo Julio para se juntar ao time dos coordenadores de sua campanha. “Só saio da rua quando reeleger o prefeito. Será sapato, saliva e suor, do mesmo jeito que foi para me eleger”, avisa a vereadora.

 

Veja também

Nem eu nem o PSL sairemos menores da eleição, diz Joice Hasselmann
Eleições 2020

Nem eu nem o PSL sairemos menores da eleição, diz Joice Hasselmann

Fux edita resolução que cria o Inova STF
STF

Fux edita resolução que cria o Inova STF