Agenda sem deputados e mais de afirmação

Uma derrota de Rosso pode deixar o PSD sem espaço na Mesa

Deputado federal Gonzaga Patriota (PSB) segue internado em Brasília, se recuperando de dengue.Deputado federal Gonzaga Patriota (PSB) segue internado em Brasília, se recuperando de dengue. - Foto: Divulgação

No PSD de Rogério Rosso, boa parte da bancada é oriunda do DEM. É o caso, por exemplo, do dirigente nacional da sigla, Gilberto Kassab, ou do deputado federal e presidente do PSD-PE, André de Paula. Sendo assim, naturalmente, há estreitas relações de pessedistas com o presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM). Rosso, enquanto líder do partido que foi, teve o aval da legenda para botar a candidatura à presidência da Câmara na rua. Mas terá a fatura cobrada, mais na frente, pelos correligionários, sobre a viabilidade da mesma. Caso haja risco de derrota, uma composição com Maia, de forma a garantir espaço para a sigla na Mesa Diretora, inclusive, não é descartada nas coxias. Dessa forma, a passagem de Rosso por Pernambuco, ontem, e a visita ao governador Paulo Câmara foi um gesto, coisa que, na política, ajuda a construir. Mas não houve convocação a deputados da bancada pernambucana, como Rodrigo Maia fez, na última sexta-feira, ao visitar o Estado, ainda que não tenha lançado postulação oficialmente. Foi o próprio Rosso quem resolveu economizar o protocolo de estar com os parlamentares e preferiu focar a visita na conversa com o governador, dando um tom mais de afirmação política à agenda. Caso vá ao enfrentamento com Rodrigo Maia, o espaço político restante à sigla pode acabar bem reduzido, a exemplo do que ocorreu com o PT, quando Arlindo Chinaglia foi derrotado por Eduardo Cunha no primeiro turno. Apesar de deter a maior bancada, os petistas acabaram sem espaço na Mesa.

Lá no Jaburu, foi assim
A Paulo Câmara, Rogério Rosso contou que esteve com Michel Temer no último domingo, às 16h. No Jaburu, durante encontro com o presidente, chegou a sugerir a criação de um ministério extraordinário da Segurança Pública. Argumentou que o momento pedia soma de esforços e que o Ministério da Justiça já acumula funções demais, resultando em atuação difusa na segurança. Paulo concordou haver certa omissão do Governo Federal no trato do tema.

Primeira parada > Rogério Rosso dirigiu-se ao gabinete de João Campos, no Palácio das Princesas, ontem, antes de ser chamado pelo governador. Daqui a dois anos, João deverá estar na Câmara Federal e o deputado tratou de conhecê-lo. Rosso, enquanto presidente do PSD no Distrito Federal, fez a indicação do vice de Rodrigo Rollemberg e, esteve na chapa do PSB lá em 2014.

Memórias > Em 2014, Eduardo Campos almoçou na casa do vice do Distrito Federal, Renato Santana, aliado de Rosso, em cujo reduto eleitoral, o bairro Sol Nascente, na Ceilândia, Campos lançou campanha à Presidência da República.

Expectativa > João Campos vem se preparando para disputar vaga na Câmara Federal em 2014 e, nos bastidores do PSB, comenta-se que a expectativa é elevada em relação à votação dele, que deveria, no mínimo, segundo apostas de alguns, empatar com a de Ana Arraes, a mais votada em 2010.

Ninho > No último domingo, o deputado estadual Lucas Ramos participou da Procissão de Reis em Gravatá, ao lado do prefeito Joaquim Neto, do PSDB. Ontem, visitou a prefeita de Caruaru, Raquel Lyra, também do PSDB. Saindo um pouco do ninho tucano, esteve também com o gestsor de Palmeirina, Marcelo Neves, do PSB, também ontem, encerrando maratona.

Lembrança > O ex-presidente de Portugal, Mário Soares, era amigo de Miguel Arraes e esteve em Pernambuco durante o seu segundo governo dele frente ao Estado. Em nota, o Instituto Miguel Arraes e a família Arraes lamentaram o falecimento do líder no último sábado.

Veja também

Em cúpula de Biden, Bolsonaro deve reciclar discurso de Salles sem detalhar estratégia
Meio Ambiente

Em cúpula de Biden, Bolsonaro deve reciclar discurso de Salles sem detalhar estratégia

STF decidirá se mantém declaração de parcialidade de Moro e se processos de Lula vão para DF ou SP
LULA

STF decidirá se mantém declaração de parcialidade de Moro e se processos de Lula vão para DF ou SP