Agente afirma que Polícia do Senado cumpriu 'missão secreta' para Sarney

Bosco da Silva afirmou que outra ordem secreta foi expedida solicitando varreduras na casa do ex-senador Lobão Filho, mas só foi cumprida após ser regularizada por escrito

Governador Paulo CâmaraGovernador Paulo Câmara - Foto: Roberto Pereira/SEI

O servidor responsável pela denúncia que desencadeou a ação da Polícia Federal no Senado na última sexta-feira (21) afirma que a polícia legislativa realizou uma missão "secreta" no escritório de José Sarney (PMDB-AL), de acordo com o jornal "O Estado de S. Paulo".

Paulo Igor Bosco da Silva, policial legislativo, disse ao jornal que uma "ordem de missão oculta", sem numeração, determinou a realização de uma operação para encontrar eventuais grampos e escutas no escritório do ex-senador em julho de 2015.

De acordo com ele, uma ordem de missão que não tem numeração não entra no controle de ações do órgão. Ainda de acordo com o jornal, Bosco da Silva relatou que outra ordem secreta foi expedida solicitando varreduras na casa do ex-senador Lobão Filho (PMDB-MA), mas só foi cumprida após ser regularizada por escrito.

A recusa inicial, relata o funcionário, aconteceu porque a medida gerou suspeitas entre os agentes da Polícia do Senado. De acordo com ele, a busca aconteceu pouco depois da Polícia Federal ter deflagrado uma operação da Lava Jato que envolvia o parlamentar.

Outra busca relacionada à Lava Jato teria acontecido na residência do senador Fernando Collor (PTC-AL), a Casa da Dinda, em Brasília. O servidor diz que, imediatamente após uma ação da PF no local, em julho de 2015, a polícia legislativa fez uma busca contra grampos.

O advogado de Sarney, Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, afirmou ao jornal que o peemedebista não lembra de varredura em seu escritório.

O "Fantástico", da Rede Globo, também entrevistou Bosco da Silva. Ao programa, ele afirma que o diretor da Polícia do Senado, Pedro Ricardo Carvalho, disse que o motivo das buscas nos imóveis de Lobão eram suspeitas de que o senador fosse um dos alvos da Lava Jato.

Carlos André, outro servidor da Polícia Legislativa entrevistado pelo programa, afirma que Carvalho orientou os agentes a mentir sobre a varredura no escritório de Sarney caso fossem descobertos -deveriam dizer que a busca aconteceu porque o ex-senador receberia uma visita do presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL).

Pretexto

Ao "Fantástico", o representante da Associação de Polícia do Congresso, Wallace França, afirmou que as buscas fora das dependências do Senado são legais, desde que solicitadas pelos próprios parlamentares e aprovadas pelo presidente do órgão. Ele negou que as ações tenham como objetivo obstruir a operação Lava Jato.

Entenda

Na última sexta-feira (21), a Polícia Federal deflagrou a Operação Métis, com o objetivo de desarticular uma suposta organização criminosa que busca atrapalhar as investigações na Lava Jato.

A PF conduziu buscas nas dependências da Polícia Legislativa, no subsolo do Senado, e prendeu temporariamente quatro agentes da organização, entre eles o diretor Pedro Ricardo Carvalho. Carvalho é o único deles que continua detido.

Aparelhos de detecção de grampos em poder da Polícia Legislativa teriam sido usados em seis imóveis ligados a dois senadores e dois ex-senadores: Fernando Collor (PTC-AL), Lobão Filho (PMDB-MA), Gleisi Hoffmann (PT-PR) e José Sarney (PMDB-MA).

Veja também

Bolsonaro confirma Renato Feder, secretário do Paraná, para assumir Ministério da Educação
Política

Bolsonaro confirma Renato Feder, secretário do Paraná, para assumir Ministério da Educação

Bolsonaro veta obrigação do uso de máscara em igrejas e comércios
Coronavírus

Bolsonaro veta obrigação do uso de máscara em igrejas e comércios