AGU vai ajudar a analisar processos da Comissão de Anistia

Segundo a portaria, a força-tarefa terá duração de um ano, a contar do início dos trabalhos

André Mendonça, Advogado-geral da União diz que a força-tarefa dará maior segurança jurídica aos trabalhos da Comissão de Anistia André Mendonça, Advogado-geral da União diz que a força-tarefa dará maior segurança jurídica aos trabalhos da Comissão de Anistia  - Foto: Marcelo Camargo/Arquivo/Agência Brasil

Uma força-tarefa composta por membros da Advocacia-Geral da União (AGU) vai prestar assessoria jurídica em processos administrativos da Comissão de Anistia pendentes de apreciação final. Portaria que cria o grupo foi assinada nesta quinta-feira (3) pela ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, e pelo advogado-geral da União, André Mendonça.

A Comissão de Anistia foi criada em novembro de 2002 com o objetivo de reparar as vítimas de atos de exceção ocorridos entre 1946 e 1988. Atualmente, mais de 2 mil processos aguardam desfecho, segundo a AGU. “A finalidade é dar segurança jurídica para a autoridade política tomar a decisão mais técnica e justa possível”, destacou André Mendonça.

Segundo a portaria, a força-tarefa terá duração de um ano, a contar do início dos trabalhos. O texto estabelece como casos de atuação prioritária os relacionados a julgamentos da Comissão de Anistia antes de 1º de janeiro de 2019 e que não tenham sido objeto de decisão ministerial.

Leia também:
PF aponta desvios em Memorial da Anistia criticado por Damares
Mulheres foram pioneiras na luta pela anistia durante ditadura militar
Comissão de Anistia analisa novos benefícios
 

“É preciso ter alguns princípios na análise dos casos relacionados à anistia. Em primeiro lugar, a lei estabelece que se deve conceder o benefício àqueles que de fato foram indevidamente perseguidos ou tiveram alguma ilegalidade no seu direito individual na época do regime militar. A Constituição consagrou esse direito, a lei consagrou esse direito”, afirmou o advogado-geral da União.

Entre as atribuições do grupo estão levantar o número de processos administrativos na comissão, propor à ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos “linhas de ação, mecanismos e procedimentos para otimizar” os trabalhos e elaborar relatórios quadrimestrais sobre os resultados.

De acordo com a AGU, a ministra Damares Alves continuará com a palavra final sobre a concessão ou reconsideração das indenizações. Inicialmente, os processos deverão ser avaliados pela Comissão da Anistia. Quando solicitada, a força-tarefa deverá subsidiar a decisão ministerial a partir da análise de critérios de constitucionalidade e legalidade e da emissão de pareceres.

Veja também

Eleição tem recorde de candidatas e, pela 1ª vez, mais negros que brancos
Brasil

Eleição tem mais candidatas e, pela 1ª vez, mais negros que brancos

Mendonça abre campanha à Prefeitura do Recife com visita a comunidade carente e adesivaço no comitê
Eleições 2020

Mendonça abre campanha à Prefeitura do Recife com visita a comunidade carente e adesivaço