Ala do PSL decide reagir a Bolsonaro e manifestar apoio a Bivar

Documento que começou a circular nesta terça-feira (8) exalta a importância da sigla nas eleições de 2018

Luciano BivarLuciano Bivar - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

Uma ala do PSL decidiu reagir à fala de Jair Bolsonaro, exaltar a importância da sigla na eleição de 2018 e fazer um manifesto de apoio ao presidente da legenda, Luciano Bivar (PSL-PE).

O documento que começou a circular nesta terça-feira (8) exalta a importância da sigla nas eleições de 2018 e prega que Bivar redistribua postos de comando da legenda nos municípios -medida que poderia inclusive desfazer arranjos impostos pelo senador Flávio Bolsonaro no Rio de Janeiro e pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro em São Paulo.

Nesta terça, Bolsonaro disse a um apoiador que ele deveria esquecer o PSL e que Bivar está "queimado".

Um dos defensores do texto é o deputado Júnior Bozella (PSL-SP). Ele lembra que Bivar atendeu a todos os pedidos de Bolsonaro e chegou a deixar o comando da legenda durante as eleições de 2018. "Combinado não sai caro. O acertado era que, depois, ele naturalmente retomaria as funções do partido que fundou", diz.

Bozella afirma que o PSL não pode se tornar um "PT da direita", acobertando casos que criam desgastes à sigla. Os dois mais ruidosos, lembra, foram poupados de críticas pelo presidente: o que envolve Fabrício Queiroz e Flávio Bolsonaro, e o caso do laranjal do PSL de Minas, que implica o ministro Marcelo Álvaro Antônio (Turismo).

"Temos o caso do Queiroz e o do ministro do Turismo, e o presidente tenta encobrir esses dois assuntos ao mesmo tempo em que desfere ataques indevidos ao PSL", diz Bozella.

"O partido é um partido de bem, conduzido por pessoas de bem. Se Bivar não tivesse aberto as portas, o presidente fatalmente não teria tido legenda para concorrer em 2018. Se hoje ele é o que é, deve isso ao deputado Bivar e ao PSL", acrescenta o deputado.

Bozella diz representar uma ala da legenda que acredita que a eleição do presidente e a expansão do PSL são frutos de um trabalho coletivo. "Todos nós somos honestos". Para ele, o presidente deve "governar o país".

"O PT se perdeu e o Lula hoje está preso porque tentou criar uma instituição que estava acima de tudo. Não vamos deixar isso acontecer com o PSL. Eu acredito no governo, acredito no presidente, apoio a sua agenda, mas o partido não pode deixar de advertir aqueles que vão contra as bandeiras que nos elegeram, como o combate à corrupção", conclui.

Veja também

Chile conclui eleição histórica em busca de maior equidade com uma nova Constituição
AMÉRICA LATINA

Chile conclui eleição histórica em busca de uma nova Constituição

Governo Biden enviará 1º voo de brasileiros deportados nesta quinta (20)
Deportação

Governo Biden enviará 1º voo de brasileiros deportados nesta quinta (20)