Alckmin afirma que desconhecia ataque quando disse que PT 'colheu o que plantou'

Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), voltou ao que definiu como "polêmica sobre o ataque à comitiva de Lula"

Tucano questionou maneira de chamou matéria de "injusta e inverídica"Tucano questionou maneira de chamou matéria de "injusta e inverídica" - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), voltou ao que definiu como "polêmica sobre o ataque à comitiva de Lula", dois dias após ter dito que os petistas "colheram o que plantaram" no dia em que tiros foram disparados contra ônibus do comboio (um deles com jornalistas a bordo).

Nesta quinta-feira (29), o tucano usou uma rede social para reproduzir uma entrevista na qual afirma que desconhecia os disparos quando foi questionado sobre eles. Contou que passou o dia no interior de São Paulo, de lá foi para uma reunião no Palácio dos Bandeirantes e, depois, direto para a pré-estreia de "Nada a Perder", cinebiografia do bispo Edir Macedo. Foi por volta das 21h, antes da sessão, que a reportagem da Folha de S.Paulo o questionou sobre o ataque - que ocorreu no começo da noite.

Leia também:
Ônibus da caravana de Lula é atingido por três tiros, segundo organizadores
Alckmin muda tom e condena ataque à caravana de Lula


"Nesta semana, houve uma polêmica sobre o ataque à comitiva de Lula. No dia, fui perguntado sobre o clima tenso das últimas semanas, mas não sabia do ocorrido. Apenas critiquei o discurso de 'nós contra eles' do PT. Condeno veementemente a violência contra quem quer que seja", escreveu o governador.

Ao abordá-lo no cinema, a reportagem da Folha de S.Paulo indagou sobre o ataque mencionando os tiros disparados horas antes. Apesar de Alckmin dizer que foi questionado genericamente sobre "o clima tenso das últimas semanas", uma gravação do diálogo mostra o governador, após ouvir a pergunta, dizendo "caravana, né?", e a repórter ratificando o tema: "Uhum, que foi atacada hoje".

A fala de Alckmin foi considerada desastrosa por membros de sua equipe de comunicação. Também foi aproveitada por opositores -como o ex-presidente Lula, que em seu Twitter usou a hashtag #colhendooqueplantou ao lado de imagens positivas relembrando seu governo. Na manhã seguinte, o tucano já havia modulado o tom, afirmando que "toda violência tem que ser condenada".

Veja também

Com apoio dos filhos de Bolsonaro, ala ideológica quer que ele demita Ramos
Polêmica

Com apoio dos filhos de Bolsonaro, ala ideológica quer que ele demita Ramos

Candidatos a prefeito do Recife otimistas com o resultado
Pesquisa Folha/Ipespe

Candidatos a prefeito do Recife otimistas com o resultado