Alckmin defende urgência na reforma política e campanha "barata"

As afirmações foram feitas em Ribeirão Preto (a 313 km de São Paulo), onde esteve para a entrega de veículos para a Polícia Militar

Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB)Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) - Foto: Marcelo Camargo/abr

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), defendeu nesta quarta-feira (30) a reforma urgente da política, a cláusula de barreira, o voto distrital e uma campanha eleitoral "barata".

As afirmações foram feitas em Ribeirão Preto (a 313 km de São Paulo), onde esteve para a entrega de veículos para a Polícia Militar. De acordo com Alckmin, a reforma político-partidária é a mais urgente em virtude do total de partidos existentes no país. "Hoje tem notícia no jornal de que deve ser autorizada a criação do 36º partido político. É uma coisa inadmissível. Tem que aprovar neste mês", disse o tucano em entrevista.

Leia também:
Doria grava vídeo para 'reafirmar sua lealdade' a Alckmin
Sem consenso, reforma política pode não ser votada na Câmara


O governador afirmou defender mecanismos para que o país tenha menos partidos. "Nós defendemos cláusula de desempenho ou barreira, para ter menos partidos, voto distrital ou distrital misto e campanha barata. O que é caro numa campanha é o programa de TV. Então, nós defendemos estúdio, não podendo ter cena externa, só mesa e microfone. Acaba com a marquetagem e reduz muito o custo de campanha eleitoral".

Previdência
Sobre a reforma da Previdência, o tucano disse acreditar que algumas propostas sejam aprovadas. "A maioria das mudanças depende de PEC, o quorum é muito alto, mas acho que é possível ao menos uma parte delas ser aprovada".

Questionado sobre a atuação do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, Alckmin afirmou não ter nenhuma razão para acreditar que ele persiga políticos com suas mais recentes denúncias.

Além de Ribeirão Preto, Alckmin vai nesta quarta a outras duas cidades paulistas: Santa Lúcia e Boa Esperança do Sul. Segundo ele, as duas estavam entre as 13 que ele não havia visitado.

"Aí faltarão 11 só, terminando o giro pelo Estado. E não há pré-campanha. Estamos aqui trabalhando, prestando serviços à população, ajudando o Brasil a sair da crise", disse.

Veja também

Tribunal abre brecha para reduzir pena tricentenária de Sérgio Cabral
Política

Tribunal abre brecha para reduzir pena tricentenária de Sérgio Cabral

Apoiadores de Bolsonaro convocam caravanas pelo país a favor de Arthur Lira e voto impresso
Bolsonaro

Apoiadores de Bolsonaro convocam caravanas pelo país a favor de Arthur Lira e voto impresso