Alckmin diz que citação de caixa dois por concessionária é absurda

"É só ver a minha vida. Pode ver de A a Z", afirmou Alckmin. Em relação à citação de seu cunhado Adhemar Cesar Ribeiro, acusado de ter intermediado supostos repasses ilícitos, o tucano disse desconhecer a delação

Ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB)Ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) - Foto: José Cruz/Agência Brasil

O pré-candidato a presidente Geraldo Alckmin (PSDB) chamou de absurda a acusação feita pela CCR de recebimento de R$ 5 milhões no caixa dois por sua campanha em 2010. "Isso é tão absurdo, tão absurdo. Não tenho nem conhecimento", afirmou nesta segunda-feira (21), após palestra no Ibmec, em São Paulo.

"Pode haver alguém tão íntegro quanto eu, mas mais não tem", disse o tucano, em declaração que lembra a do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2016, quando disse que "não há viva alma mais honesta" que ele, hoje preso.

"É só ver a minha vida. Pode ver de A a Z", afirmou Alckmin. Em relação à citação de seu cunhado Adhemar Cesar Ribeiro, acusado de ter intermediado supostos repasses ilícitos, o tucano disse desconhecer a delação.

"Precisa verificar o que é isso. Vamos aguardar", afirmou Alckmin. Questionado sobre se via uma perseguição nas acusações, ele disse que espera que não haja. Adhemar Cesar Ribeiro também é citado como operador de caixa dois pela Odebrecht.

Segundo Alckmin, ele "nunca participou como tesoureiro de campanha, nunca participou em absolutamente nada disso". Ribeiro "não tem nenhum papel, a não ser o de ser amigo e procurar participar", disse o presidenciável.

A equipe de Alckmin defende que ele adote posicionamento mais enfático em relação à Lava Jato e acusações que pesam contra ele por caixa dois. Mas o tucano manteve a postura de responder breve e sucintamente apenas aquilo que lhe é perguntado.

Leia também:
Em reação a Bolsonaro, Alckmin defende facilitar porte de armas no campo
PSDB ainda pode ocupar vaga do Senado, mas vai esticar prazo

Doria


Quanto à volta da especulação em torno de sua substituição na corrida presidencial por João Doria, Alckmin a atribuiu à imprensa, embora a hipótese seja incensada inclusive dentro do PSDB. "A imprensa gosta de novidades. Criaram o Luciano Huck, depois criaram o Joaquim Barbosa, agora criam o João Doria e vão desinformando a população. E nós vamos fazendo campanha", disse.

Ele minimizou o desejo de tucanos de trocar o presidenciável do PSDB. "Eu fui eleito presidente do partido com 99,8% dos votos", encerrou. Ele tem viagens marcadas para Mato Grosso do Sul, Rio, Brasília, Bahia e Rondônia nas próximas duas semanas.

Veja também

CPI vota, nesta quinta (20), pedido de acesso a vídeos de reuniões ministeriais com Ernesto
CPI da Covid

CPI vota, nesta quinta (20), pedido de acesso a vídeos de reuniões ministeriais com Ernesto

Ernesto diz que falou a verdade sobre Kátia Abreu em caso de suposto lobby chinês pelo 5G
CPI da Covid

[Ao vivo] Ernesto diz que falou a verdade sobre Kátia Abreu em caso de suposto lobby chinês pelo 5G