Política

Alckmin é preferido de investidores, mas considerado inviável, diz pesquisa

A amostra contou "com as principais instituições do mercado financeiro brasileiro, com uma representação equivalente a mais de 50% dos recursos sob gestão dentro do setor", diz a XP. O resultado reflete a opinião de formadores de opinião do mercado financ

Geraldo AlckminGeraldo Alckmin - Foto: Reprodução/ Facebook

Uma sondagem da XP Investimentos com 204 investidores em 4 e 5 de junho mostra que a candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB) à Presidência é vista como a mais atraente para o mercado, se não fosse inviável.

Alckmin trocou de lugar com Jair Bolsonaro (PSL): em abril, 48% achavam que o tucano venceria a eleição presidencial, parcela que caiu a 31%. O deputado era a aposta de vitória de 29% e agora lidera, com 48%.

O ex-governador cearense Ciro Gomes (PDT) saiu de 1% para 13% de chances de vitória. A ex-senadora Marina Silva (Rede) foi de 3% para 5%. Entre esses investidores, 45% acham que o segundo turno será entre Bolsonaro e Ciro -a mesma fatia apostava que seria o capitão da reserva contra Alckmin em abril.

A amostra contou "com as principais instituições do mercado financeiro brasileiro, com uma representação equivalente a mais de 50% dos recursos sob gestão dentro do setor", diz a XP. O resultado reflete a opinião de formadores de opinião do mercado financeiro, que expressam confiança na eventual gestão de Alckmin, que tem o economista Persio Arida à frente de seu programa de governo, mas desconfiam de sua viabilidade.

Leia também:
Alckmin perde a paciência e pergunta se tucanos querem outro candidato
Tenho até apreço pessoal pela Marina, gosto do seu estilo, diz Alckmin

Segundo a pesquisa da XP, a vitória de Alckmin provocaria uma melhora do Ibovespa para 97% dos entrevistados e um câmbio abaixo de R$ 3,40 para 73%. O juro básico ficaria em no máximo 7% até o final de 2019 para 41% dos entrevistados; 22% apostam que a Selic seria superior a 8%.

Eventual eleição de Bolsonaro não causa pânico a esses investidores. Em abril 41% achavam que o Ibovespa avançaria do patamar atual. Hoje 49% pensam assim e 21% preveem estabilidade. Os juros, sob Bolsonaro, aumentariam em 2019, creem 77% dos quais 44% apontam uma Selic de ao menos 8%.

A taxa de juro básico está hoje em 6,5% ao ano. Sob Ciro, 99% desses investidores acham que o Ibovespa recuaria, 80% dizem que o câmbio brasileiro se desvalorizaria para um patamar superior a R$ 4 frente ao dólar. A Selic ficaria acima de 8% para 63%.

Veja também

Presidente veta nomeação de Nise da Silveira como Heroína da Pátria
Veto presidencial

Presidente veta nomeação de Nise da Silveira como Heroína da Pátria

Tebet diz que "mulher vota em mulher" no primeiro discurso após desistência de Doria
ELEIÇÕES 2022

Tebet diz que "mulher vota em mulher" no primeiro discurso após desistência de Doria