Alckmin e Temer ensaiam aproximação e irritam DEM

Após certo estremecimento na relação, o presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) procurou o presidente Michel Temer (MDB) para iniciar conversas sobre possível aliança. O gesto foi mal recebido no DEM, que considera a aproximação corrosiva para Alckmin na di

Geraldo Alckmin (esq.) o presidente Michel Temer (dir.)Geraldo Alckmin (esq.) o presidente Michel Temer (dir.) - Foto: Beto Barata / PR

Após período de certo estremecimento na relação, o presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) procurou o presidente Michel Temer (MDB) para iniciar conversas sobre possível aliança para a eleição.

O gesto foi mal recebido no DEM, que diz considerar uma aproximação com o MDB de Temer e José Sarney corrosiva para Alckmin na disputa presidencial.

O presidente e o ex-governador paulista tinham ficado de conversar há cerca de duas semanas, mas a aproximação se tornou pública e Alckmin preferiu esperar. Na última quinta-feira (3), como revelado pela Folha de S.Paulo, o tucano telefonou para o presidente.

Leia também:
Inquérito contra Alckmin por suposto caixa 2 vai para 1ª instância
Temer indica que pode desistir de reeleição e diz que chance de ser destituído é zero


Em agenda de campanha em Teresina neste sábado (5), Alckmin negou publicamente que tenha tratado de aliança eleitoral, mas o gesto marca uma nova fase na relação entre os dois.

Desde a votação das denúncias de Temer na Câmara, quando a bancada tucana paulista se posicionou majoritariamente a favor das investigações, o presidente se irritou com o que viu como falta de empenho do então governador.

Um tempo depois disso, Alckmin chegou a procurar Temer, mas o presidente estava inclinado a tentar se reeleger e não foi receptivo.

Agora, com a candidatura de Temer escanteada e a concepção por ambos da necessidade de união das candidaturas ditas de centro, a relação entrou em nova fase.

"O diálogo é importante. Aliança não está em discussão, até porque o MDB tem pré-candidato. O doutor Henrique Meirelles é uma pessoa de valor", afirmou o tucano na capital do Piauí.

Alckmin disse que o ex-prefeito João Doria (PSDB) e o governador Márcio França (PSB) "estiveram com o presidente Temer, conversaram sobre o quadro mais geral do Brasil e depois me pediram para dar uma ligadinha, dar uma palavra com ele".

Foi o que fez, disse, conversou sobre o quadro geral do país. Segundo Alckmin, partidos que têm pré-candidato postergarão negociações de aliança até as convenções em julho.

Em entrevista a jornalistas locais em entrevista na sede do PSDB em Teresina, negou suposta promessa de apoio do senador Ciro Nogueira (PP-PI) a ele, se inviabilizada a candidatura do ex-presidente Luiz Inacio Lula da Silva (PT).

"Ciro Nogueira não me prometeu nenhum apoio. O PP faz parte da nossa base de aliança em SP, mas não houve essa promessa", afirmou.

Veja também

Brasil antecipou mais de 16 milhões de doses de vacinas, diz Queiroga
IMUNIZANTE

Brasil antecipou mais de 16 milhões de doses de vacinas, diz Queiroga

Barroso se reúne com deputados da comissão do voto impresso
TSE

Barroso se reúne com deputados da comissão do voto impresso