Alckmin recua e diz que vai retirar pedido de censura a pesquisa Datafolha

A decisão do TSE contra Lula estabeleceu que o PT pode substitui-lo até o dia 11 -Haddad é o favorito para assumir seu posto de candidato à Presidência da República

Geraldo AlckminGeraldo Alckmin - Foto: Everisto Sá_AFP

O presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) disse que não foi consultado pelo advogado do PSDB antes que fosse protocolada ação no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para tentar censurar a divulgação da pesquisa eleitoral nacional do Datafolha. O tucano ainda afirmou que já pediu para que a ação seja retirada.

"O advogado acabou entrando [com a ação] sem me consultar, li hoje pelo jornal e liguei e já mandei retirar. Ele justificou que na realidade consultou a área de coordenação da campanha e achou que era suficiente", afirmou o tucano após a sabatina Estadão-Faap.

O levantamento Datafolha foi registrado no tribunal na terça-feira (4) para ser realizado e divulgado na próxima segunda-feira (10).  Os advogados da coligação da candidatura de Alckmin, "Para unir o Brasil", argumentam na ação registrada nesta quarta-feira (5) que a pesquisa não pode ser publicada porque substituiu no questionário o nome de Luiz Inácio Lula da Silva pelo de Fernando Haddad, vice na chapa do PT à Presidência da República.

"E qual a justificativa [do advogado]? No fundo você está confundindo o eleitor. Você confunde o eleitor, de um lado, e de outro lado está protegendo o Haddad, que não vai em entrevista, sabatina, televisão", resumiu Alckmin nesta quinta (6).

A candidatura de Lula ao Palácio do Planalto foi barrada pelos ministros da corte eleitoral, por 6 a 1, na madrugada do último sábado (1º) com base na Lei da Ficha Limpa em razão de ele ter condenação em segunda instância pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. O ex-presidente está preso desde abril, em Curitiba.

Leia também:
Temer reclama de 'falsidades' de Alckmin e viraliza; veja vídeo
Promotor apresenta ação de improbidade contra Alckmin

O advogado da Folha de S.Paulo, Luís Francisco Carvalho Filho, criticou a ação dos advogados do ex-governador paulista. "Ao impugnar a pesquisa, o candidato Geraldo Alckmin revela seu lado obscurantista. Maneja o recurso indecente da censura para trazer desinformação ao processo político", afirmou.

A decisão do TSE contra Lula estabeleceu que o PT pode substitui-lo até o dia 11 -Haddad é o favorito para assumir seu posto de candidato à Presidência da República.
Segundo os advogados de Alckmin, na ação, "tem-se que ainda não existe pedido de registro de candidatura à Presidência da República pela Coligação Brasil Feliz, sendo certo, ainda, que Fernando Haddad não é candidato ao cargo titular, visto que está registrado como candidato a vice-presidente".

 "A pesquisa em apreço não retrata o quadro eleitoral do momento em que está sendo realizada e do momento em que seu questionário é submetido ao registro", diz o pedido ao TSE. A defesa do candidato do PSDB pede ainda que o Datafolha "seja proibido de divulgar a pesquisa eleitoral ora impugnada até solução definitiva do presente incidente de impugnação de pedido de registro".

"Se o PT quer estar na pesquisa, tem que ter candidato", disse nesta quarta-feira (5) à Folha o advogado Ricardo Penteado, um dos que representam a coligação de Alckmin no TSE. O Datafolha cancelou registro de pesquisa eleitoral nacional que seria realizada de 4 a 6 de setembro devido à decisão do TSE que rejeitou o registro de candidato de Lula.

O registro da pesquisa para presidente da República, de código BR-02553/2018, havia sido feito na sexta-feira (31), antes do término da votação do TSE que vetou a candidatura de Lula, na madrugada de sábado (1º).  Como o questionário contemplava cenário com o nome do candidato impedido, o instituto decidiu não aplicá-lo e realizar um novo registro para divulgar os resultados no dia 10.

Veja também

Arthur Lira se consolida pelo comando da Câmara dos Deputados
EDMAR LYRA

Arthur Lira se consolida pelo comando da Câmara dos Deputados

Baleia Rossi volta a Pernambuco e vai à mesa com Paulo Câmara
FOLHA POLÍTICA

Baleia Rossi volta a Pernambuco e vai à mesa com Paulo Câmara