Alcolumbre diz que vai pautar projeto contra fake news

Ao anunciar a apreciação do PL, ele afirmou que as notícias falsas, ou fake news, “contaminam a sociedade como um todo”

Davi Alcolumbre, presidente do SenadoDavi Alcolumbre, presidente do Senado - Foto: Isac Nóbrega/PR

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), disse nessa quarta-feira (27) que pautará para a próxima semana a votação de um projeto de lei que combate as notícias falsas. O projeto 2.630/2020 institui a Lei Brasileira de Liberdade, Responsabilidade e Transparência na Internet, criando mecanismos para garantir mais transparência nas redes sociais e em serviços de troca de mensagens, como o WhatsApp.

O anúncio foi feito por Alcolumbre na conta do Twitter do presidente do Senado. Ao anunciar a apreciação do PL, ele afirmou que as notícias falsas, ou fake news, “contaminam a sociedade como um todo”. “As notícias falsas não minam apenas as instituições, os políticos ou as celebridades. Elas contaminam a sociedade como um todo, ofendem qualquer cidadão, distorcem qualquer fato e comprometem a liberdade de expressão, que é o princípio básico da democracia”, disse Alcolumbre.

“Para combater essa avalanche de fake news, que agride cada cidadão brasileiro, todos os dias, o Senado Federal deve votar, na próxima terça-feira (2), o projeto (PL 2630/2020)”, acrescentou. Alcolumbre ainda afirmou que aqueles que espalham notícias falsas “devem ser punidos com os rigores da lei”.

Leia também:
Bolsonaro teme que Carlos seja alvo de próxima ação do inquérito das fake news
PGR pede arquivamento de inquérito que apura divulgação de fake news
Inquérito sobre fake news vai avançar e chegar em Carlos Bolsonaro, acredita Humberto Costa

Operação da PF contra fake news
O anúncio ocorreu horas depois do cumprimento, pela Polícia Federal (PF), de mandados de busca e apreensão no chamado inquérito das fake news, aberto no ano passado para apurar ofensas e ataques a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). As diligências ocorrem em endereços ligados a 17 pessoas, incluindo parlamentares.

Os mandados foram autorizados pelo ministro Alexandre de Moraes, relator do inquérito no STF. Na decisão em que autorizou as buscas, Moraes disse haver indícios de que um grupo de empresários tem financiado e coordenado uma estrutura para a produção e disseminação dessas informações falsas e ofensas nas redes sociais.

Veja também

Após show, Rebeca Andrade comemora 'decisões inteligentes' na ginástica
Jogos Olímpicos

Após show, Rebeca Andrade comemora 'decisões inteligentes' na ginástica

Campanhas de Lula e Ciro querem mais economia e menos pautas identitárias
Política

Campanhas de Lula e Ciro querem mais economia e menos pautas identitárias