Alcolumbre pede investigação de fraude da eleição da Mesa

Embora estivessem presentes os 81 senadores, na urna de votação foram colocados 82 votos na eleição para a presidência da Casa

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), pediu que o corregedor da Casa apure a fraude na eleição da Mesa DiretoraO presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), pediu que o corregedor da Casa apure a fraude na eleição da Mesa Diretora - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), pediu que o corregedor da Casa, senador Roberto Rocha (PSDB-MA), apure a fraude na eleição da Mesa Diretora, no último sábado (2). Embora estivessem presentes os 81 senadores, na urna de votação, foram colocados 82 votos na eleição para a presidência da Casa. Além do voto a mais, duas cédulas estavam fora dos envelopes. A votação foi anulada, e Alcolumbre foi eleito em um segundo pleito.

A investigação deve seguir as regras contidas no Ato do Corregedor 1/2018, que regulamenta os procedimentos da Corregedoria Parlamentar. O órgão é responsável no Senado por promover a manutenção do decoro, da ordem e da disciplina, incluindo questões referentes à segurança interna e externa da instituição.

Leia também:
Alcolumbre convoca reunião de líderes partidários no Senado
Davi Alcolumbre será 1º judeu a presidir Senado
Bolsonaro parabeniza Alcolumbre por vitória no Senado


Após a investigação, o corregedor poderá arquivar o fato, encaminhar à Comissão de Ética e Decoro Parlamentar, caso a apuração constate descumprimento do Código de Ética, ou encaminhar à autoridade administrativa competente para adoção das sanções cabíveis, quando a conduta punível não for atribuída ao senador.

Veja também

Maia marca audiência com embaixador da China para tentar resolver crise das vacinas
Política

Maia marca audiência com embaixador da China para tentar resolver crise das vacinas

No início da imunização, Doria critica Bolsonaro e pergunta onde está a vacina de Oxford
Ribeirão Preto

No início da imunização, Doria critica Bolsonaro e pergunta onde está a vacina de Oxford