A-A+

Alexandre de Moraes manda bloquear redes sociais de 7 suspeitos de atacar o STF

O general da reserva Paulo Chagas, que foi candidato ao governo do Distrito Federal em 2018, é apontado por Moraes como um dos alvos

Alexandre de Moraes reafirmou sua posição sobre o assuntoAlexandre de Moraes reafirmou sua posição sobre o assunto - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), determinou o bloqueio de contas em redes sociais pertencentes a sete pessoas investigadas no inquérito aberto para apurar fake news, ameaças e ofensas contra integrantes da corte e seus familiares.

A decisão, de sexta-feira (12), deflagrou a operação da Polícia Federal que cumpre, na manhã desta terça (16), mandados de busca e apreensão em Brasília, São Paulo e Goiás. Conforme a ordem, serão apreendidos computadores, celulares e outros equipamentos eletrônicos dos suspeitos.

"Verifica-se a postagem reiterada em redes sociais de mensagens contendo graves ofensas a esta corte e seus integrantes, com conteúdo de ódio e de subversão da ordem", escreveu o ministro, citando que as condutas em apuração podem se enquadrar em artigos do Código Penal e da Lei de Segurança Nacional.

Leia também:
PF faz buscas em inquérito sobre ataques ao Supremo; general é um dos alvos
Alexandre de Moraes diz que papel do STF é evitar ditadura da maioria

Um dos alvos, o general da reserva Paulo Chagas, que foi candidato ao governo do Distrito Federal em 2018, é apontado por Moraes como suspeito de "postagens nas redes sociais de propaganda de processos violentos ou ilegais para alteração da ordem política e social, com grande repercussão entre seguidores". "Em pelo menos uma ocasião", continua o ministro, "o investigado defendeu a criação de um Tribunal de Exceção para julgamento dos ministros do STF ou mesmo substituí-los."

Outro alvo é o policial civil de Goiás Omar Rocha Fagundes. Nas redes sociais dele, segundo a decisão de Moraes, há publicação de 14 de março deste ano que diz "O nosso STF é bolivariano, todos alinhados com os narcotraficantes e corruptos do país. Vai ser a fórceps". Em outra publicação, Fagundes teria escrito "O Peru fechou a corte suprema do país. Nós também podemos! Pressão total contra o STF".

Os outros cinco investigados são Isabella Trevisani, Carlos Antonio dos Santos, Erminio Nadin, Gustavo de Carvalho e Silva e Sergio de Barros. Eles são apontados por publicações como: "Não tem negociação com quem se vendeu para o mecanismo. Destituição e prisão. Fora STF" e "Esta é a recepção para Ministro Ladrão de Toga (enquanto exibe uma cesta de ovos em vídeo publicado em 19/03/2019)".

O inquérito no qual são realizadas as buscas e apreensões desta manhã foi instaurado em março pelo presidente do Supremo, ministro Dias Toffoli, de ofício -sem provocação de outro órgão. O Ministério Público não participa da investigação. O ministro Moraes foi escolhido por Toffoli para presidir o inquérito sem sorteio -o que motivou críticas de outros membros do tribunal.

Nesse mesmo procedimento, Moraes determinou a retirada do ar de reportagem e notas publicadas na semana passada pelos sites da revista Crusoé e O Antagonista. Os textos noticiavam a existência de um email do empresário e delator Marcelo Odebrecht em que, conforme um esclarecimento dele, havia uma menção a Toffoli.

O e-mail era de julho de 2007, época em que Toffoli era advogado-geral da União no governo Lula (PT). A mensagem de Marcelo Odebrecht a dois executivos da empreiteira dizia: "Afinal vocês fecharam com o amigo do amigo de meu pai?". Não há qualquer citação a pagamentos. A PF perguntou a Odebrecht quem era a pessoa mencionada, e ele respondeu, no início deste mês, que era Toffoli.

Moraes considerou que a reportagem de Crusoé era inverídica porque relatava que o esclarecimento prestado pelo delator havia sido remetido à Procuradoria-Geral da República. Após a publicação da matéria, a PGR divulgou nota dizendo que não havia recebido tal esclarecimento. No entanto, ele chegou a fazer parte de um inquérito da Lava Jato em Curitiba.

O diretor de Redação da revista Crusoé, Rodrigo Rangel, classificou a decisão do STF como censura e afirmou que "reitera o teor da reportagem, baseada em documento, e registra que a decisão [de Moraes] se apega a uma nota da Procuradoria-Geral da República sobre um detalhe lateral e utiliza tal manifestação para tratar como fake news uma informação absolutamente verídica, que consta dos autos da Lava Jato".

A operação desta terça não é a primeira no âmbito do inquérito aberto pelo Supremo. Em 21 de março, policiais cumpriram mandados de busca e apreensão contra um guarda civil de Indaiatuba (SP) e um advogado de Maceió (AL). Desde aquela ocasião, segundo pessoas próximas à investigação, os registros de ofensas à corte diminuíram, segundo monitoramento realizado pelo tribunal.

Veja também

Bolsonaro vira 'criminoso climático' em ação nas ruas de NY antes de Assembleia da ONU
ONU

Bolsonaro vira 'criminoso climático' em ação nas ruas de NY antes de Assembleia da ONU

Sindicato acusa Prevent Senior de forçar médicos a falar que receitaram cloroquina por conta própria
CPI

Sindicato acusa Prevent Senior de forçar médicos a falar que receitaram cloroquina por conta própria