BRASIL

Aliado de Doria anula CPI que investigaria suspeitas sobre tucanos e Paulo Preto

Governador de São Paulo, João DoriaGovernador de São Paulo, João Doria - Foto: Governo de SP/Divulgação

O presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, Carlão Pignatari (PSDB), anulou o ato de criação de uma CPI que pretendia investigar suspeitas de desvios de recursos públicos em obras das gestões tucanas no estado.

A decisão foi publicada no Diário Oficial de sábado (4), após anos de manobras de tucanos e de aliados para atrasar a instalação da comissão de inquérito.

Essa CPI tinha como principal alvo a Dersa, estatal paulista devassada por investigações que resultaram em acusações que vão de fraude em licitações e corrupção a formação de cartel.

Ao todo, foram apresentadas cinco denúncias pelo Ministério Público Federal contra o ex-diretor de Engenharia da Dersa Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto.

Além disso, a Procuradoria também denunciou o seu sucessor, Pedro da Silva, em suspeitas relacionadas a outro esquema. Ambos sempre negaram ter cometido irregularidades.

A justificativa de Pignatari, aliado do governador e presidenciável João Doria (PSDB), é a de que o requerimento de instalação da comissão proposto pela deputada petista Beth Sahão (hoje na suplência) não tem "exigência constitucional de caracterização de fato determinado".

O presidente da Assembleia diz ainda que se trata de "de mera justaposição de denúncias e indícios veiculados em grandes órgãos de mídia, sem que seja possível extrair, com contornos precisos, a matéria a ser investigada pela CPI".


"Constata-se, apenas e tão somente, a mera soma de alegações genéricas de supostas irregularidades a serem apuradas como um todo, de modo a compreender sucessivas gestões do Executivo estadual, ausente de todo a necessária delimitação do objeto a ser investigado", diz o texto de Pignatari.

"Essa verdadeira 'colagem' de (supostos) fatos trazida pela justificativa nem de longe se presta, para fins da aferição do cumprimento da exigência constitucional ora examinada, a compor um quadro fático no qual se possam identificar contornos precisos, de modo a não deixar dúvidas sobre o objeto a ser investigado", completa.

O requerimento de instalação da CPI da Dersa foi protocolado no início de 2019, no primeiro ano da gestão Doria no Governo de São Paulo.

Em sua justificativa, previa "investigar improbidades e ilegalidades praticadas por agentes públicos e políticos que, por ação ou omissão, deram causa a fraude nas licitações e contratos do governo do Estado".
De acordo com Sahão, isso gerou desvios de recursos públicos "utilizando-se de empresas de fachada para lavagem de recursos de empreiteiras nessas obras viárias, por meio da atuação do Sr. Paulo Vieira de Souza, ex-diretor da Dersa, no período de 2007 a 2019".

À época, tucanos se mobilizaram para impedir que a CPI fosse instalada imediatamente.

Assessores do PSDB se revezaram durante 63 horas em uma fila dentro da Casa para solicitar outras comissões de investigação à frente, já que –com raras exceções– apenas cinco comissões podem tramitar ao mesmo tempo. À época, o líder do governo era Pignatari.

A CPI da Dersa acabou prevista para o primeiro semestre de 2021, mas outra série de manobras impediu o seu começo. Ela podia ter sido constituída por Pignatari, segundo o regimento, desde abril deste ano, o que ele não fez.

Em agosto, um questionamento (instrumento formalmente chamado de questão de ordem) apresentado pelo deputado estadual Campos Machado (Avante), apoiador do ex-governador Geraldo Alckmin (de saída do PSDB), suspendeu a criação da CPI.

Campos Machado disse ter feito o questionamento por "absoluta ausência de fato determinado" na CPI.
"Investigar improbidades e ilegalidades em licitações e contratos, nessas obras viárias, não nos mostram, indubitavelmente, nenhum fato concreto, preciso ou estabelecido", disse Machado no documento protocolado à presidência da Casa.

Pignatari tinha, de acordo com o regimento, 60 dias para responder ao questionamento, mas só o apresentou na decisão publicada em 4 de dezembro, após quatro meses.

Além do ato de criação da CPI da Dersa, também foi anulada, por razão semelhante, a instalação de uma CPI que investigaria a cobrança indevida de aluguel em ocupações, proposta pelo tucano Marco Zerbini.
Paulo Preto ocupou na Dersa, durante o governo do tucano José Serra (2007-2010), os cargos de diretor de Relações Institucionais e, em seguida, de diretor de Engenharia.

Segundo as investigações, por um lado, ele conseguiu reduzir o valor de contratos do Rodoanel, mas sob promessas de beneficiar as empresas em outras contratações. Ao mesmo tempo, cobrou propina de 0,75% sobre as medições do anel viário, que seria destinada a políticos do PSDB.

A atuação de Paulo Preto foi marcada por um decreto editado por Serra no início da sua gestão, que determinou a reavaliação das licitações vigentes. Nesse período, o ex-diretor fez uma série de reuniões com os consórcios que ganharam a licitação do trecho sul do Rodoanel.

Em uma delas, diz uma denúncia da Lava Jato paulista de 2018, Paulo Preto "informou que a Dersa seria responsável pela licitação das várias obras municipais" e "deixou claro que, se as empresas 'não tivessem boa vontade na renegociação dos contratos, ele [Paulo] não teria boa vontade com as empresas no novo pacote de obras'".

As principais suspeitas contra a Dersa não pararam por aí. Também houve suspeitas de irregularidades no trecho norte do Rodoanel, cuja obra foi iniciada em 2013, na gestão Alckmin, e ainda não foi concluída.
O sucessor de Paulo Preto na Diretoria de Engenharia da Dersa à época é Pedro da Silva, que virou réu sob acusação de fraude a licitação e falsidade ideológica.

Atualmente, tramitam na Assembleia Legislativa de São Paulo uma CPI sobre irregularidades no licenciamento e monitoramento de cavas subaquáticas na Baixada Santista, uma sobre violência contra a mulher e uma sobre suspeitas de irregularidades na concessão de benefícios fiscais.

Veja também

Presidente do PL quer lançar pré-candidatura de Bolsonaro junto com convenção do partido
Eleições 2022

Presidente do PL quer lançar pré-candidatura de Bolsonaro junto com convenção do partido

TSE estuda banir Telegram do Brasil para combater 'fake news' nas eleiçõesTECNOLOGIA

TSE estuda banir Telegram do Brasil para combater 'fake news' nas eleições