Aliança entre PT e PSB mais dependente de uma intervenção nacional

Amanhã é o último dia para filiados petistas pedirem a formação de uma aliança com os socialistas. Até agora, não houve nenhuma solicitação.

Lula recebe Renata Campos e o governador Paulo Câmara em São PauloLula recebe Renata Campos e o governador Paulo Câmara em São Paulo - Foto: Divulgação

O prazo para discutir o apoio do PT a outro partido termina amanhã sem nenhuma proposta de aliança sugerida ao diretório estadual da sigla. O fato reforça a tese de que uma eventual união com o PSB dependerá de uma intervenção da Executiva Nacional. De acordo com o presidente estadual do PT, Bruno Ribeiro, apesar de o calendário partidário prever a data como limite para a discussão, não quer dizer que o assunto se encerre.

Se a instância superior provocar, mais à frente, o debate voltará à pauta da agremiação em Pernambuco. No domingo, a cúpula petista no Estado se reúne, na sede da legenda, para discutir a conjuntura política e atos em defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), condenado do Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

Segundo Ribeiro, o apoio será avaliado se algum requerimento surgir, mas precisará ainda da aprovação de 1/3 do diretório. A dinâmica foi seguida em 2014, quando o PT apoiou a candidatura do senador Armando Monteiro Neto (PTB). "Mas acho muito difícil acontecer porque já houve três resoluções pela candidatura própria. Agora é importante ressaltar que, se evoluir nacionalmente alguma outra solução que envolva Pernambuco, vamos voltar a conversar isso", afirmou o petista em referência a uma possível intervenção verticalizada.

Sobre o encontro no domingo, ele disse que será o primeiro do ano. "A que aconteceu no domingo passado foi um encontro das tendências do partido com os parlamentares. Não era reunião da Executiva, embora integrantes tenham participado", explicou.

Internamente, o partido tem realizado ainda debates sobre a chapa proporcional. O tema tem deixados os petistas apreensivos. Em 2014, a sigla fez 384 mil votos, mas, por ter se coligado com PTB, PSC, PDT, PRB e PT do B, acabou não elegendo nenhum federal. E nas especulações da formação das coligações, há quem avalie que, caso o PT entre no chapão da Frente Popular, corre o risco de conquistar somente uma cadeira na Câmara.

Veja também

Marcos Pontes participa de evento sobre pesquisa da nitazoxanida
Saúde

Marcos Pontes participa de evento sobre pesquisa da nitazoxanida

YouTube bloqueia vídeo de campanha de Russomanno por desrespeitar direitos autorais da Fifa
SÃO PAULO

YouTube bloqueia vídeo de Russomanno com imagens da Fifa