Discurso

Análise: Bolsonaro usa Carnaval para criar armadilha para opositores

Debate, inócuo do ponto de vista de segurança sanitária, serve à nova onda de politização da pandemia promovia pelo presidente

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair Bolsonaro - Foto: Evaristo Sa / AFP

Por mais de um ângulo, debater neste momento a "realização" do carnaval em 2022 é inevitável e, ao mesmo tempo, inócuo do ponto de vista de segurança sanitária, mas tem serventia à nova onda de politização da pandemia promovida pelo presidente Jair Bolsonaro. Especular decretações de fechamento ou abertura extremas daqui a três meses é inútil.

O sinal disparado por Bolsonaro — "Por mim nem haveria carnaval" — abriu a batalha de apontar hipocrisia do lado rival nas redes e promove uma "guerra cultural" útil para amenizar perdas de popularidade.

O presidente tenta acertar alguns coelhos e cria uma armadilha para seus opositores. O aceno moralista à base conservadora é óbvio, e remete ao apelativo episódio do "golden shower" no primeiro tríduo momesco sob seu governo. Sem pudor para inverter sinais, busca ainda empurrar os que passaram os dois últimos anos chamando-o de negacionista a adotar, na forma binária que captura todo debate nas redes, a posição contra medidas restritivas — a despeito da diferença de circunstâncias como vacinação, taxa de contaminação e outras.

A militância bolsonarista entendeu o recado e tenta impor constrangimento a quem defendia isolamento e distanciamento e agora vê viabilidade nos festejos, acusando incoerência. A situação é outra com a boa adesão da população brasileira à vacinação e com a momentânea baixa na disseminação do vírus no país, mas circunstâncias podem mudar — a nova variante sul-africana é só o exemplo mais recente. Este cenário impõe um desafio também aos cientistas, muitas vezes premidos a exercer futurologia para decretar de público, hoje, se esta ou aquela atividade será segura daqui a três meses.

Em resposta, os antibolsonaristas apontam hipocrisia do presidente. A súbita conversão presidencial ao isolamento no carnaval entra em clara contradição com atitudes do próprio governo, a começar pela contínua resistência em exigir passaporte sanitário de turistas, medida unânime entre especialistas.

Para prefeitos de centenas de cidades que costumam sediar as festas, equilibrar o risco de propiciar uma onda de contaminação e promover o evento que aquece a economia local é decisão tão mais difícil quanto mais cedo precisar ser tomada.

Festa que simboliza e define a identidade nacional, o carnaval de 2022 concentra antes de começar o puro suco do Brasil recente: politização da crise sanitária e a submissão da ciência, em meio à falta de dados que permitam prever cenários ainda longínquos, à guerrilha das redes.

Veja também

Presidente do Senado quer votar projeto sobre preço de combustíveis Política

Presidente do Senado quer votar projeto sobre preço de combustíveis

Câmara deve retomar trabalho remoto após aumento de casos de Covid-19Política

Câmara deve retomar trabalho remoto após aumento de casos de Covid-19