Ao vivo: Moraes diverge de relator e empata julgamento no STF sobre prisão após 2ª instância

O ministro Alexandre de Moraes considerou que a prisão após condenação de segundo grau não desrespeita o princípio constitucional

Alexandre de Moraes, ministro do Supremo Tribunal FederalAlexandre de Moraes, ministro do Supremo Tribunal Federal - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Supremo Tribunal Federal (STF) retomou na manhã desta quarta-feira (23) o julgamento da constitucionalidade da prisão de condenados em segunda instância. O placar até o momento está em 1 a 1. [assista mais abaixo]

Relator das ações sobre o tema, o ministro Marco Aurélio votou contra a prisão após segunda instância, defendendo a constitucionalidade do artigo 283 do Código de Processo Penal, segundo o qual ninguém pode ser preso exceto em flagrante ou se houver "sentença condenatória transitada em julgado".

Esse entendimento pode beneficiar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso em Curitiba desde abril de 2018.

Leia também:
STF condena Geddel a 14 anos de prisão no caso do bunker com R$ 51 mi
Procurador-geral defende prisão após 2ª instância em julgamento no STF


Segundo a votar, o ministro Alexandre de Moraes considerou que a prisão após condenação de segundo grau não desrespeita o princípio constitucional da presunção da inocência. Faltam nove votos.

Assista a sessão:




A sessão teve início com as sustentações orais de dois "amici curiae" (amigos da corte, em latim), da Advocacia-Geral da União (AGU) e da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Tanto o procurador-geral, Augusto Aras, como o advogado-geral da União, André Mendonça, se manifestaram favoráveis à execução da pena após a segunda instância.

Veja também

Jovem preso em Minas por tuíte sobre Bolsonaro diz que publicação tinha tom de piada
Lei de Segurança nacional

Jovem preso em Minas por tuíte sobre Bolsonaro diz que publicação tinha tom de piada

Auge da pandemia aprofunda cisão entre governadores e Bolsonaro
BLOG DA FOLHA

Auge da pandemia aprofunda cisão entre governadores e Bolsonaro