Ao vivo: Senado inicia votação da Previdência em segundo turno

Texto precisa ser aprovado por 49 votos

SenadoSenado - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Depois de duas horas de sessão, o plenário do Senado abriu a votação, em segundo turno, da proposta de emenda à Constituição (PEC) que reforma a Previdência. Às 16h14 desta terça-feira (22), o presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), colocou o item em pauta. Até agora, foram apresentados quatro destaques. [Acompanhe ao vivo mais abaixo]

O texto da reforma da Previdência precisa ser aprovado por 49 votos, equivalente a três quintos dos senadores mais um. No segundo turno, somente podem ser votadas emendas de redação, que esclarecem pontos do texto, ou supressivas, que retiram pontos do texto. Em seguida, a reforma poderá ser promulgada e entrar em vigor.

Leia também:
Partidos preveem aprovação da nova Previdência e dificuldades futuras
Em carta conjunta, governadores do Sul e Sudeste defendem PEC paralela da Previdência


A promulgação da reforma da Previdência depende de convocação de sessão conjunta do Congresso Nacional. Originalmente, a promulgação poderia ocorrer a qualquer momento após a aprovação em segundo turno pelo Senado. No entanto, Alcolumbre deve esperar o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), retornar de viagem ao Reino Unido e à Irlanda, e o presidente Jair Bolsonaro regressar de viagem à Ásia para promulgar a PEC.

Acompanhe ao vivo:




Rito
Primeiramente, haverá discussões e recomendações dos líderes dos partidos. Em seguida, haverá a votação do texto-base. Por fim, serão votados os destaques de trechos do texto.

Mais cedo, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) aprovou a PEC em segundo turno com três emendas de redação. Há ainda uma quarta emenda, apresentada pelo senador Paulo Paim (PT-RS), rejeitada por Tasso, mas que pode ser destacada logo mais na votação no Plenário.

Veja também

Regiões metropolitanas trocam de guarda partidária e não seguem capitais
Eleições 2020

Regiões metropolitanas trocam de guarda partidária e não seguem capitais

Recondução de Eriberto mostra força da presidência
Edmar Lyra

Recondução de Eriberto mostra força da presidência