BRASIL

Apenas três ministros seguem no governo desde o início: Guedes, general Heleno e Wagner Rosário

Bolsonaro demitiu Bento Albuquerque nesta quarta-feira

Ministro da Controladoria-Geral da União, Wagner RosárioMinistro da Controladoria-Geral da União, Wagner Rosário - Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado

Após a demissão nesta quarta-feira do almirante Bento Albuquerque da pasta de Minas e Energia, apenas três ministros que tomaram posse no início do governo Jair Bolsonaro permanecem em seus cargos: Paulo Guedes (Economia), general Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e Wagner Rosário (Controladoria-Geral da União).

Os dois primeiros estão com Bolsonaro desde a campanha. Já Rosário, que já estava à frente da CGU no governo Michel Temer, seguiu no posto e ganhou a confiança do titular do Palácio do Planalto.

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, tomou posse como ministro em 2019, mas no caso dele foi a instituição que perdeu o status de ministério. Por outro lado, a autoridade monetária ganhou novo status de independência, e o cargo não vai mais ser diretamente ligado aos mandatos presidenciais, pois seu titular terá mandatos fixos.

Todos os demais ministros deixaram o governo em meio à crise ou, mais recentemente, para ficarem disponíveis para disputar as eleições em outubro. No final de março, dez ministros saíram do governo para serem candidatos, entre eles o ministro da Defesa, Walter Braga Netto, cotado como vice de Bolsonaro na chapa para a reeleição.

As pastas com o maior número de trocas foram a Educação e a Secretaria-Geral. O MEC já está em seu quinto ministro. Victor Godoy assumiu a pasta após a demissão do ex-ministro Milton Ribeiro em meio a suspeitas da atuação de pastores lobistas no MEC, no final de março. Antes lideraram a pasta Ricardo Vélez, Abraham Weintraub e, nomeado mas sem tomar posse, Carlos Decotelli.

A Secretaria-Geral também já teve cinco ministros diferentes. Foi na pasta que ocorreu a primeira demissão do governo. Coordenador da campanha de Bolsonaro, o advogado Gustavo Bebianno foi exonerado após apenas 48 dias de governo devido a uma crise envolvendo o filho do presidente e vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ).

Depois dele passaram pelo ministério, o general Floriano Peixoto, o atual ministro do Tribunal de Contas da União, Jorge Oliveira e o ex-ministro e deputado Onyx Lorenzoni (PL-RS). Atualmente, a Secretaria-Geral da Presidência é chefiada pelo ministro Luiz Eduardo Ramos.

Outras trocas significativas ocorreram na Saúde em meio à pandemia da Covid-19. Luiz Henrique Mandetta deixou o governo em abril em 16 de abril de 2020 após divergências como o presidente Bolsonaro sobre o enfrentamento à crise sanitária. Mandetta foi substituído pelo médico Nelson Teich, que pediu demissão antes de completar um mês no cargo.

O general Eduardo Pazuello, então secretário-executivo da pasta, assumiu o ministério interinamente, mas depois foi efetivado. Pressionado pelo Centrão alto número de mortes causadas pela Covid-19, Pazuello deixou a Saúde em março de 2021. Desde então, a Saúde é comandada pelo ministro Marcelo Queiroga.

Veja também

Witzel pediu vaga no STF para resolver "rachadinha" de Flávio, diz Bolsonaro
Bolsonaro

Witzel pediu vaga no STF para resolver "rachadinha" de Flávio, diz Bolsonaro

"O maior culpado na Furna da Onça é o Flávio", reclamou Bolsonaro
Bolsonaro

"O maior culpado na Furna da Onça é o Flávio", reclamou Bolsonaro

Newsletter