Apontado como operador do PSDB, Paulo Preto volta a ser preso em SP

O engenheiro é apontado como operador de propinas e de contribuições ilícitas para o PSDB durante o governo de José Serra (2007-2010).

Paulo Preto, ex-diretor da DersaPaulo Preto, ex-diretor da Dersa - Foto: Arquivo/Agência Brasil

O ex-diretor da Dersa (empresa responsável por obras viárias paulistas) Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto, foi preso novamente pela Polícia Federal de São Paulo na manhã desta quarta-feira (30). Segundo a PF, ele descumpriu medidas judiciais.

O engenheiro é apontado como operador de propinas e de contribuições ilícitas para o PSDB durante o governo de José Serra (2007-2010). Ele havia sido preso no dia 6 de abril, mas liberado cerca de um mês depois, após o ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal), conceder habeas corpus ao investigado.

Leia também:
Ministro do STJ nega habeas corpus a Paulo Preto
PF prende Paulo Preto, ex-diretor da Dersa, por desvio de R$ 7,7 milhões


Em março, a Lava Jato denunciou o ex-diretor por desvio de R$ 7,7 milhões, entre 2009 e 2011. O recurso era destinado ao realojamento de famílias desalojadas pela Dersa para a construção do Rodoanel, obra realizada na gestão Serra.

Durante as investigações da Lava Jato, o ex-diretor foi citado por sete delatores - da Odebrecht, Andrade Gutierrez e pelo operador Adir Assad -, e apareceu em depoimentos de outros três executivos da OAS e da Queiroz Galvão que negociam acordo com procuradores.

Segundo os executivos, ele pediu a dez empreiteiras que fizeram o trecho sul do Rodoanel, na região metropolitana da capital paulista, um suborno equivalente a 0,75% de tudo que elas recebessem. Como a obra custou R$ 3,5 bilhões em valores da época que foi inaugurada, em abril de 2010, a propina de 0,75% seria de R$ 26,3 milhões.

Documentos enviados aos procuradores por autoridades suíças mostravam que Paulo Preto tinha ainda quatro contas no banco suíço Bordier & Cie. O saldo conjunto, em junho de 2016, era equivalente a R$ 113 milhões.

Em fevereiro do ano passado, os valores, segundo as informações vindas da Suíça, foram transferidos para um banco em Nassau, nas Bahamas.

Veja também

Com apoio da oposição, manifestantes fazem carreatas por impeachment pelo país
Impeachment

Com apoio da oposição, manifestantes fazem carreatas por impeachment pelo país

Carreata no Recife pede impeachment de Bolsonaro e vacinação para todos
BLOG DA FOLHA

Carreata no Recife pede impeachment de Bolsonaro e vacinação para todos