Após atrito com Renan Calheiros, Onyx busca diálogo com MDB do Senado

Apesar do aceno à bancada da sigla, o ministro fez críticas a Renan, ressaltando que ele deve a sua reeleição no ano passado ao PT

Ministro da Casa Civil, Onyx LorenzoniMinistro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni - Foto: Valter Campanato / Agência Brasil

Após ter se indisposto com o senador Renan Calheiros (MDB-AL) na disputa à sucessão do Senado, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse nesta terça-feira (5) que buscará diálogo com a bancada do MDB.

Em entrevista à Rádio CBN, ele afirmou que combinou uma conversa com os senadores Fernando Bezerra (PE) e Eduardo Braga (AM), ambos filiados à sigla e aliados de Renan, e ressaltou que o MDB tem uma "história muito importante" no país.

"É importante a gente ter um diálogo com o MDB, por tudo o que fez na história do país. Na Câmara e no Senado, em dezembro e janeiro, tive boas conversas com líderes da sigla", disse. "O governo tem uma postura de absoluto diálogo e a gente não entrou na questão do bate-boca", acrescentou.

O ministro disse ainda não ter dúvidas de que o "MDB do bem" irá ajudar o governo em propostas de interesse do país. Ele não explicou, contudo, quem faria parte desse grupo. "Não tenho dúvida de que o MDB do bem, vamos dizer assim, vai ajudar para que o país se reencontre com o seu futuro", ressaltou.

Leia também:
Onyx diz que proposta da Previdência não será como divulgado em minuta
Renan critica Onyx e defende reforma da Previdência


Apesar do aceno à bancada da sigla, o ministro fez críticas a Renan, ressaltando que ele deve a sua reeleição no ano passado ao PT. Segundo ele, o último plano petista era fazer da mesa do Senado uma espécie de resistência ao novo governo.

"Durante muito tempo, nos últimos 24 anos, foi o mesmo grupo politico, de [José] Sarney e do adversário do Davi [Alcolumbre], que comandaram a Casa", disse.

O ministro se envolveu pessoalmente na candidatura de Davi Alcolumbre (DEM-AP), adversário de Renan e que acabou sendo eleito presidente do Senado. O episódio irritou boa parte da bancada do MDB, a maior da Casa.

Em seu quarto mandato como senador, Renan tem interlocução tanto com a direita quanto com a esquerda e é avaliado como um articulador hábil.

Para auxiliares de Bolsonaro, é preocupante tê-lo como adversário, sobretudo no momento em que o governo elegeu a reforma previdenciária como sua prioridade em início de gestão.

Alguns assessores governistas calculam que Alcolumbre não terá condições de entregar com a mesma velocidade que Renan a aprovação de projetos considerados prioritários por ter pouca experiência em articulação.

A preocupação deles é que, caso as pontes com Renan não sejam refeitas, ele se torne o presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) e dificulte a tramitação de pautas de interesse do governo.

Veja também

Gilmar suspende inquérito contra desembargador que deu carteirada para não usar máscara
STF

Gilmar suspende inquérito contra desembargador que deu carteirada para não usar máscara

Governo desrespeita prazos, e Lewandowski cobra planos para Manaus e vacinação
Pandemia

Governo desrespeita prazos, e Lewandowski cobra planos para Manaus e vacinação