Após Câmara, Senado aprova MP do Fies, que vai à sanção de Temer

MP estabelece que parte da remuneração aos bancos, o equivalente às taxas administrativas, seja custeada pelas instituições de ensino

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da SilvaEx-presidente Luiz Inácio Lula da Silva - Foto: Miguel Schincariol / AFP

O Senado aprovou, por votação simbólica na noite desta quarta-feira (9), a medida provisória do Fies (Fundo de Financiamento Estudantil), que visa repassar às instituições de ensino as despesas bancárias com o programa. O texto segue agora para sanção do presidente Michel Temer.

A MP, aprovada pela Câmara dos Deputados na terça-feira (8), perderia a validade na sexta-feira (11). Por isso, os senadores fizeram um acordo para não modificá-la, de forma que ela não precisasse retornar à apreciação dos deputados.

Os deputados já haviam retirados partes polêmicas que permitiam ao governo inscrever estudantes inadimplentes no Cadin (cadastro de crédito não quitados do setor público federal) e na Dívida Ativa da União.

A MP estabelece que parte da remuneração aos bancos, o equivalente às taxas administrativas, seja custeada pelas instituições de ensino. Antes, era o governo que pagava essa despesa. Estima-se que, por ano, o gasto era de cerca de R$ 400 milhões.

Pelo texto, o valor a ser pago mensalmente será de 2% sobre o saldo do crédito liberado às instituições de ensino.

Veja também

PF investiga esquema de corrupção em liberação de licenças ambientais
Meio ambiente

PF investiga esquema de corrupção em liberação de licenças ambientais

Após pedido de licença de Chico Rodrigues do Senado, ministro Barroso suspende afastamento do senado
STF

Após pedido de licença de Chico Rodrigues do Senado, ministro Barroso suspende afastamento do senado