Após deixar a penitenciária, prefeito eleito toma posse em Osasco

Lins ficou preso por cinco dias e foi solto na última sexta-feira

A homenagem foi uma proposição do deputado estadual Wanderson Florêncio (PSC), o evento foi realizado no  Auditório Senador Sérgio GuerraA homenagem foi uma proposição do deputado estadual Wanderson Florêncio (PSC), o evento foi realizado no Auditório Senador Sérgio Guerra - Foto: Alepe

O prefeito eleito de Osasco, Rogério Lins (PTN), tomou posse na manhã deste domingo (1º), em solenidade na Câmara dos Vereadores. Lins ficou preso por cinco dias na Penitenciária de Tremembé, no interior paulista, e só foi solto na última sexta-feira (30).

Lins é investigado pela Operação Caça-Fantasmas, sobre funcionários fantasmas na Câmara de Vereadores de Osasco, além da captação de dinheiro de parte do salário de assessores dos vereadores. A ordem de prisão contra o prefeito eleito foi expedida no dia 6 de dezembro e Lins se entregou no dia 25, após retornar de uma viagem a Miami, nos Estados Unidos.

O Tribunal de Justiça de São Paulo concedeu liberdade a Lins e aos 14 vereadores também investigados na operação, sob a condição de pagamento de fiança no valor de R$ 300 mil, que deverá ser paga até amanhã (2). Se isso não ocorrer, a medida que concedeu liberdade ao prefeito será revogada.

Veja também

Governadores pedem gesto de Bolsonaro para chegada de vacina
Coronavírus

Governadores pedem gesto de Bolsonaro para chegada de vacina

Justiça condena Eduardo Bolsonaro a indenizar repórter da Folha de S.Paulo por danos morais

Justiça condena Eduardo Bolsonaro a indenizar repórter da Folha de S.Paulo por danos morais