Política

Após delação, acusado de invadir celular de Moro sairá da prisão

A decisão foi proferida na terça-feira (3) pela 10ª Vara Federal do Distrito Federal, após a homologação do acordo de delação feito pelo acusado

HackerHacker - Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

A Justiça autorizou o estudante Luiz Molição, um dos suspeitos invadir celulares e aplicativos de autoridades, a deixar a prisão.

A decisão foi proferida na terça-feira (3) pela 10ª Vara Federal do Distrito Federal, após a homologação do acordo de delação feito pelo acusado. A data na qual Molição deixará a prisão não foi divulgada. Pelo acordo, ele deverá usar tornozeleira eletrônica como uma das medidas cautelares impostas no acordo.

Em julho, Molição e mais três investigados foram presos durante a Operação Spoofing, da Polícia Federal, sob a acusação de invadir o celular do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, do procurador Deltan Dallagnol, entre outros. Os acusados também são suspeitos de interceptar e divulgar parte das comunicações do ministro.

Leia também:
Moro diz que fez relação 'lógica' entre hacker e site
Hacker diz que não editou mensagens e que Manuela fez ponte dele com Intercept


A operação foi batizada de Spoofing, expressão relativa a um tipo de falsificação tecnológica, que procura enganar uma rede ou uma pessoa fazendo-a acreditar que a fonte de uma informação é confiável quando, na realidade, não é.

De acordo com o Ministério da Justiça e Segurança Pública, o ministro percebeu a tentativa de invasão no dia 4 de junho deste ano, quando recebeu uma ligação do seu próprio número. Após a chamada, Moro recebeu novos contatos por meio do aplicativo de mensagens Telegram, que o ministro afirma que já não usava há cerca de dois anos. Imediatamente, o ministro abandonou a linha e acionou a Polícia Federal.

Veja também

Bolsonaro publica agenda com compromisso uma hora depois de horário previsto para depoimento na PFPRESDIENTE

Bolsonaro publica agenda com compromisso uma hora depois de horário previsto para depoimento na PF

Conjuntura nacional é equivalente para postulantes ao SenadoEdmar Lyra

Conjuntura nacional é equivalente para postulantes ao Senado