Impeachment

Após esquerda, grupos à direita promovem carreatas contra Bolsonaro

Convocados pelos grupos Vem pra Rua e Movimento Brasil Livre (MBL), manifestantes vestidos de verde e amarelo fazem carreatas em várias cidades do país

Carreata contra Bolsonaro reuniu movimentos de direitaCarreata contra Bolsonaro reuniu movimentos de direita - Foto: Reprodução / Twitter

Um dia depois das manifestações de políticos e organizações de esquerda pelo país, com pedidos de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro, neste domingo (24) grupos da direita protagonizam a mobilização nas ruas pelo afastamento.

Convocados pelos grupos Vem pra Rua e Movimento Brasil Livre (MBL), manifestantes vestidos de verde e amarelo fazem carreatas em várias cidades do país, entre elas, Rio de Janeiro e São Paulo. Em Belo Horizonte, a manifestação está prevista para ocorrer nesta tarde.

No Rio de Janeiro, os manifestantes saíram em carreta da Barra da Tijuca, na zona oeste, em direção à Copacabana, na zona sul. Eles fizeram um buzinaço pelo impeachment. Algumas pessoas colaram em seus carros cartazes lembrando o número de mortos pelo coronavírus no país. Muitos veículos levavam bandeiras do Brasil.

Em São Paulo, os manifestantes seguiram em comboio pela Avenida Paulista. Pessoas de motos e bicicletas participaram do ato. Durante o ato, os manifestantes também deram palavras de ordem contra o ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal). Eles pediam "Fora, Gilmar".

O MBL e o Vem Pra Rua protagonizaram a mobilização pelo impeachment da então presidente Dilma Rousseff, em 2016.
No sábado, grupos convocados por líderes de esquerda, de partidos como PT e PSOL, além de sindicatos, promoveram carreatas contra Bolsonaro em capitais.

 

Veja também

Bolsonaro deve trocar comando da Secom e entregá-la a militar
Governo

Bolsonaro deve trocar comando da Secom e entregá-la a militar

Kassab é denunciado sob acusação de caixa 2 e corrupção por suposta propina da JBS
Política

Kassab é denunciado sob acusação de caixa 2 e corrupção por suposta propina da JBS