Após impeachment, País vive noite de protestos

Atos aconteceram em cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Recife

Manifestantes foram ao centro de São PauloManifestantes foram ao centro de São Paulo - Foto: Ed Machado/Folha de Pernambuco

A tarde e a noite desta quarta-feira (31) têm sido de protestos pelo País contra a decisão do Senado pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Há registros de manifestações em cidades como o Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Salvador e Recife.

No Recife, um grupo de manifestantes se reuniu na praça do Derby - área central do Recife - e realizou um ato em protesto contra a medida. O grupo fechou por mais de 1h30 a avenida Agamenon Magalhães nos dois sentidos da via, mas liberou o caminho para Boa Viagem por volta das 19h20. Em seguida, o grupo seguiu pela avenida Conde da Boa Vista em direção à praça da Independência, no bairro de Santo Antônio.

Durante o percurso, os comerciantes fechavam as partes das lojas na avenida Conde da Boa Vista. Ambulantes guardaram suas mercadorias e o Shopping Boa Vista também fechou os portões de acesso ao mall.

Em São Paulo, a Polícia Militar dispersou com bombas e gás lacrimogênio, por volta das 20h30, a manifestação que ocorria no centro da capital paulista, também pedia a saída do presidente da República.

Quando a passeata estava na rua da Consolação no cruzamento com a rua Maria Antonia, bombas da PM foram lançadas nos manifestantes. Logo em seguida, rojões foram atirados nos policiais. A reportagem procurou a assessoria de imprensa da PM que disse não saber o que motivou o lançamento das bombas.

Segundo o Grupo de Apoio ao Protesto Popular (Gapp), ao menos uma pessoa foi ferida superficialmente por uma bomba da PM. Na região do Largo do Arouche, uma viatura da polícia e uma agência bancária foram depredadas por manifestantes.

Durante o ato, o fotojornalista William Oliveira teve o seu equipamento profissional quebrado, e ainda foi preso após ser agredido.

Rio de Janeiro

Manifestantes pró-Dilma Rousseff reuniram-se em um protesto contra a destituição da presidente na noite desta quarta no centro do Rio do Janeiro. Aos gritos de "fora, Temer", o protesto se concentrou na Cinelândia, onde manifestantes discursaram contra o recém-empossado presidente Michel Temer (PMDB).

O protesto foi organizado pelos movimentos Frente Brasil Popular e Povo Sem Medo. A polícia militar acompanhou a movimentação, que até as 21h não havia registrado confusão.

Por volta de 19h40, os manifestantes saíram em direção à Assembleia Legislativa do Rio e fizeram uma parada na sede da Firjan, onde houve um ato contra o que chamam de "apoio da federação ao golpe".

No trajeto, o protesto interrompeu o trânsito na avenida Graça Aranha e na rua Primeiro de Março, duas das principais do centro do Rio.

Segundo os organizadores, pelo menos 3.000 pessoas participavam do protesto. "Vamos manter a agenda de denúncia do golpe e pedir a saída do Michel Temer. O mais importante é seguir na luta intransigente na defesa dos direitos dos trabalhadores", afirmou Ronaldo Leite, presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).

Durante o pronunciamento de Temer em cadeia de rádio e televisão, panelaços foram ouvidos em bairros da zona norte e da zona sul, como Copacabana.

Belo Horizonte

Insatisfeitos com a decisão do Senado de aprovar o impeachment de Dilma Rousseff, manifestantes saíram às ruas do centro de Belo Horizonte na noite desta quarta. Eles se concentraram a partir das 18h na Praça Rômulo Paes, se dirigiram à Praça Raul Soares e depois seguiram para a Praça Sete. Ao logo do percurso, os presentes usavam palavras de ordem para pedir a saída do presidente Michel Temer e para classificar de golpe o processo que levou ao afastamento da petista. Também foram feitas projeções em edifícios com a frase "Fora Temer".

O deputado estadual petista Rogério Correia defendeu a realização de eleições gerais no Brasil. Ao ser perguntado se o PT já discutiu como deve ser a postura do governo mineiro comandado por Fernando Pimentel, o parlamentar respondeu: "No meu entendimento, o governo Temer não deve ser reconhecido. Se o povo não reconhece, nenhum outro governo deveria reconhecê-lo. Trata-se de um golpista e assim ele tem que ser tratado". Entre os presentes, estavam também dois dos 11 candidatos à prefeitura de Belo Horizonte: Maria da Consolação (PSOL) e Reginaldo Lopes (PT).

Em nota, Pimentel manifestou repúdio à casação do mandato de Dilma Rousseff e considerou que ela não cometeu nenhum crime de responsabilidade. "Garantir o cumprimento do mandato conferido pelas urnas é compromisso prioritário dos que prezam a democracia no Brasil. A história saberá julgar os personagens dessa página triste que hoje passamos", diz o texto.

Salvador

Um grupo de manifestantes tomou as ruas de Salvador, protestando contra o impedimento da ex-presidente. Em faixas e cartazes, os manifestantes disseram "Não” ao que chamaram de “golpe" e negaram se sentir representados por Michel Temer. Eles prestaram apoio a Dilma Rousseff em palavras de ordem, músicas e, também, em cartazes e faixas.

Acompanhados pela Polícia Militar da Bahia, que informou haver cerca de 200 pessoas participando da manifestação, os participantes seguiram pela Avenida Tancredo Neves, bloqueando todas as faixas, o que gerou congestionamento nas proximidades, nos bairros Caminho das Árvores e Pituba.

O grupo se dispersou por volta das 21h, em frente ao prédio da Federação das Indústrias do Estado da Bahia (FIEB), no bairro do Costa Azul.

Veja também

Analistas avaliam que pesquisa mostra consolidação de Campos e disputa dura por 2º lugar
PESQUISA FOLHA/IPESPE

Analistas avaliam que pesquisa mostra consolidação de Campos e disputa dura por 2º lugar

Candidatos a prefeito do Recife sobem o tom no guia eleitoral de rádio e televisão
Eleições 2020

Candidatos a prefeito do Recife sobem o tom no guia eleitoral