Após polêmica, Janot reaparece em silêncio e lança livro em evento esvaziado

Poucas pessoas formaram uma fila para pegar a rubrica do ex-procurador, na Livraria da Vila

Rodrigo JanotRodrigo Janot - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Na noite desta segunda-feira (7), o ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot autografou exemplares de "Nada Menos que Tudo", o livro de memórias feito por ele em depoimento aos jornalistas Guilherme Evelin e Jailton Carvalho.

Poucas pessoas formaram uma fila para pegar a rubrica do ex-procurador, na Livraria da Vila, nos Jardins, bairro nobre da capital paulista. A maioria dos presentes era de jornalistas, seguranças e funcionários da editora Planeta, que editou o livro.

Janot chegou atrasado. A sessão de autógrafos foi marcada para as 19h, mas ele sentou-se na cadeira no fundo da livraria 21 minutos depois. Às 19h43, já não havia mais ninguém na fila. Depois, alguns leitores foram chegando a conta-gotas.

Leia também:
Livro de Janot traz relatos incoerentes sobre acerto de contas com desafetos
Em livro, Janot cita choro de políticos e 'farmacinha' de bebidas na PGR; leia resumo
CCJ da Câmara aprova convite para ouvir Janot


Não esteve presente nenhuma grande autoridade do Judiciário ou mesmo do Ministério Público Federal, que ele comandou entre 2013 e 2017.

No andar de cima da livraria, o lançamento de um livro de direito empresarial juntou mais gente.

Antes das 20h todos os exemplares de "Direito empresarial - Estudos Jurídicos em Homenagem a Maria Salgado", organizado por Graziela Amaral e Luciana Santos, já tinham sido vendidos. Já "Nada Menos que Tudo" teve 43 exemplares vendidos, e não havia mais gente com ele nas mãos naquele horário.

É a primeira aparição de Janot após a polêmica envolvendo entrevistas que ele deu para divulgar a obra. Desta vez, ficou calado. "Hoje é só palavra escrita", limitou-se a dizer.

Ele recusou-se a esclarecer a polêmica causada pela declaração de que planejou assassinar o ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal), e se matar em seguida. Teria entrado armado na corte e só não puxou o gatilho porque o "dedo indicador ficou paralisado", disse à Folha. No livro ele conta o episódio de maneira resumida, sem nomes ou detalhes.

O site jurídico Jota, porém, mostrou que, no dia em que Janot diz ter entrado armado no STF para matar Gilmar Mendes, o então procurador-geral não estava em Brasília, mas em Minas Gerais.

No dia 27 de setembro, Janot foi alvo de busca e apreensão determinada pelo Supremo Tribunal Federal. Também ficou determinado que ele mantenha pelo menos 200 metros de distância dos ministros do Supremo.

Janot também tem é cobrado a explicar por que não denunciou políticos que foram até ele pedir que não investigasse o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (MDB-RJ), conforme relatou em seu livro.

O ex-procurador corre o risco de perder sua aposentadoria. O subprocurador da República Moacir de Morais entrou com pedido para que o CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) investigue sua conduta em razão da declaração sobre Gilmar.

Nesta terça-feira (8), haverá sessão de autógrafos em Brasília. Pessoas próximas Janot disseram que esperam mais gente na livraria da capital federal.

Veja também

Salles defende que falta de manejo potencializou queimadas no Pantanal
Meio Ambiente

Salles defende que falta de manejo potencializou queimadas no Pantanal

Confira o programa de governo de Marília Arraes para a Prefeitura do Recife
Eleições 2020

Confira o programa de governo de Marília Arraes para a Prefeitura do Recife