Após polêmica, Temer justifica escolha de 'acidente' para se referir a massacre

Uso da palavra, empregada durante discurso do peemedebista, gerou críticas nas redes sociais

O ato de filiação foi acompanhado pelo deputado federal Sebastião OliveiraO ato de filiação foi acompanhado pelo deputado federal Sebastião Oliveira - Foto: Divulgação

Com a polêmica em torno da utilização da palavra "acidente" para se referir ao massacre de presos no Amazonas, o presidente Michel Temer usou as redes sociais nesta quinta-feira (5) para se defender e justificar a escolha do vocábulo.

Leia mais:
Maia diz que pauta da Câmara pode incluir propostas sobre situação de presídios
Sob pressão, Temer rompe o silêncio e diz que massacre em presídio foi "pavoroso"
Governo do AM rebate ministro da Justiça e sugere conivência federal
Governo do Amazonas sabia de plano de fuga antes de massacre, diz ministro
Nações Unidas cobram medidas urgentes contra violência nas prisões do Brasil
OAB processa governo do Amazonas e juíza dá 72 horas para defesa


O peemedebista enumerou em sua conta pessoal sinônimos de "acidente", entre eles "tragédia, perda, desastre, desgraça e fatalidade".

O uso da palavra, empregada durante discurso do peemedebista, gerou críticas nas redes sociais. O presidente foi acusado de ter minimizado o episódio.

Em sua primeira declaração pública sobre o massacre, após três dias de silêncio absoluto, Temer lamentou o ocorrido e o chamou de "acidente pavoroso".

A justificativa usada pelo presidente, contudo, foi motivo de ironias em sua página pessoal. "Então por que não usou essas [expressões]?", questionou uma internauta.

O silêncio fazia parte de uma estratégia de comunicação do Palácio do Planalto para afastar o presidente do centro da crise prisional, sob o argumento de que se trata de um incidente localizado.

Com a repercussão do episódio, noticiado pela imprensa estrangeira, o peemedebista passou a ser aconselhado a romper o silêncio e fazer pelo menos um comentário genérico sobre o episódio, para afastar a acusação de que ele tem sido omisso.

Na quarta-feira (4), até o papa Francisco havia se pronunciado sobre o massacre e lamentado o massacre. Ele pediu que "as condições de vida dos detentos sejam dignas de pessoas humanas".

O massacre em Manaus criou uma crise no sistema penitenciário brasileira e o receio do Palácio do Planalto de que integrantes do PCC iniciem uma série de retaliações em outras unidades prisionais do país, uma vez que a maioria dos mortos são da facção criminosa.

A rebelião foi motivada por uma briga entre as facções Família do Norte e PCC. De acordo com as investigações, ela foi comandada pela Família do Norte.

Veja também

Popularidade de Bolsonaro cai em plena segunda onda da pandemia no Brasil
Política

Popularidade de Bolsonaro cai em plena segunda onda da pandemia no Brasil

Vereador quer assistência psicológica nas escolas municipais do Recife
BLOG DA FOLHA

Vereador quer assistência psicológica nas escolas municipais do Recife