Após reclamação de Maia, ministro de Minas e Energia vai à Câmara

Mais cedo, Maia afirmou que o encontro não teria a participação de nenhum ministro do governo Michel Temer nem do presidente da Petrobras, Pedro Parente. O debate foi marcado com a finalidade de debater possíveis soluções para a crise provocada pela alta

Ex-ministro Moreira Franco foi preso em desdobramento da Operação Lava JatoEx-ministro Moreira Franco foi preso em desdobramento da Operação Lava Jato - Foto: Valter Campanato / Agência Brasil

Após o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), fazer críticas sobre a ausência de representantes do governo Michel Temer em comissão geral que discute a crise dos combustíveis, o ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, foi ao Congresso para participar do debate.

Mais cedo, Maia afirmou que o encontro não teria a participação de nenhum ministro do governo Michel Temer nem do presidente da Petrobras, Pedro Parente. O debate foi marcado com a finalidade de debater possíveis soluções para a crise provocada pela alta dos preços de combustíveis e a greve dos caminhoneiros.

De acordo com Maia, o presidente da Petrobras foi o único que justificou a ausência. Parente explicou que no mesmo horário participaria de reunião do conselho de administração da estatal."Os ministros não deram justificativa nenhuma, é um erro.

Mostra que estão desarticulados e vão ter muita dificuldade de continuar conduzindo uma solução para sair da crise", afirmou Maia. Cerca de duas horas após a divulgação das críticas do presidente da Câmara, Moreira Franco, foi à Câmara e acompanhou a comissão geral ao lado de Maia.

Na noite desta segunda-feira (28), integrantes afirmaram que queriam que Moreira viesse ao Congresso para explicar a situação do país. Os aliados de Temer estão com medo de serem atingidos pelo desgaste da situação a cinco meses das eleições.

Leia também:
Maia diz que Câmara não votará aumento de impostos
Governo pressiona PF por prisões para acabar greve

O presidente da Câmara ainda fez críticas ao governo ao comentar a afirmação do ministro da Fazenda, de que poderia ser necessário elevar tributos para reduzir preços de combustíveis. "Isso aqui é uma democracia e ele não manda no Congresso Nacional. O que ele fez ontem foi muito irresponsável. [...] O movimento todo tem de fundo a questão de não ter aumento de imposto e ele fala o contrário. Ele sabe muito bem que no Congresso não haverá aumento de impostos", afirmou.

Veja também

Supremo decide manter em Brasília casos de Lula retirados da Lava Jato de Curitiba
STF

Supremo decide manter em Brasília casos de Lula retirados da Lava Jato de Curitiba

Projeto de Lei que torna as Igrejas essenciais foi aprovado por 46 votos na Alepe
Blog da Folha

Projeto de Lei que torna as Igrejas essenciais foi aprovado por 46 votos na Alepe